Sociedade

Saúde RJ

Profissionais da saúde denunciam Crivella com bilhete no peito: "trabalhando sem salário!"

Contra o atraso de salários que ocorre desde 2017, trabalhadores da saúde do Rio fazem greve, e os que cumprem expediente usam bilhetes no peito: “Trabalhamos sem salário”

quarta-feira 28 de fevereiro| Edição do dia

Com atrasos constantes de salários, precarização do trabalho das mais diversas formas, ameaças de cortes de verbas e demissões, os trabalhadores da saúde estão em greve com 70% paralisados, mantendo apenas 30% em exercício, mínimo determinado pela lei.

Funcionários de mais de 217 Clínicas da Família enfrentam atrasos de salário desde Agosto de 2017. No mês de Fevereiro, por exemplo, foi efetuada parte do pagamento apenas no dia 26, quando deveria ter ocorrido no quinto dia útil. Médicos, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, técnicos em enfermagem, agentes comunitários, nutricionistas, e pacientes se juntaram em um coletivo “Nenhum Serviço de Saúde a Menos” quando a prefeitura prometia reduzir verbas, o que acarretaria no fechamento de 11 Clínicas da Família e demissão de 1000 trabalhadores. O movimento foi parcialmente vitorioso, mas ainda assim, 300 trabalhadores foram demitidos.
Muitos trabalhadores passaram a realizar este tipo de protesto com os bilhetes no peito de forma espontânea, desde Agosto do ano passado, ganhando maior número de adesões nos últimos meses. A população tem apoiado os trabalhadores, entendendo ser uma luta por melhor atendimento de saúde.

O descaso com a saúde no Rio é mais um ingrediente na enorme crise por que passa o Estado. O governo e a classe dominante tem como saída atacar a população, para salvaguardar seus privilégios. Entenda melhor a situação política do Rio de Janeiro nas análises a seguir:

Tropas nas ruas no Rio mas a ressaca do carnaval volta a atormentar a burguesia

As 7 falcatruas, furadas, papelões e mentiras de Crivella só nesse ano

Foto: UOL




Tópicos relacionados

Crise no Rio de Janeiro   /    Sociedade   /    Saúde   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar