Educação

Professores fazem protesto contra Ackmin em Diadema

Ao menos 4 professores desafiaram o governador Geraldo Alckmin (PSDB) enquanto ele discursava em evento na cidade de Diadema.

terça-feira 27 de março| Edição do dia

Vestidos com camiseta da APEOESP- Sindicato dos professores do estado de São Paulo, os manifestantes gritavam "Cadê o salário dos professores?"; "Cadê os 2% do Iamspe que ele não paga?" referindo-se ao Istituto de Assistencia Medica ao Servidor Publico Esdadual após discurso de Alckimin na inauguração da Fabrica de Cultura municipal.

Apoiadores do governador responderam os manifestantes gritando coisas como "Geraldo presidente", a seguranca foi acionada e retiraram os professores enquanto Alckmin pousava tranquilo pra "selfies" com moradores e terminava a visita às obras do prédio.

Como de praxe de quase todos politicos, a entrega da Fabrica de Cultura foi mais uma jogada politica de marketing, Alckimin que é pré-candidato à presidencia da Republica e o prefeito de Diadema, Lauro Michels (do PV), fez questão de declarar seu apoio ao tucano durante a da ceimonia de entrega obras da Fabrica Cultural "Estamos com você porque o Brasil precisa de algo Urgente, é Geraldo presidente” disse o prefeito. Antes do evento Alckimin também tinha passado por Sao Bermado do Campo e recebido o apoio do prefeito Orlando Morando.

Essa ação espuria de representantes APEOSP é mais uma mostra da necessidade dos professores estaduais superarem a burocracia cutista que dirige seu Sindicato, uma vez que atos como esse em Diadema não servem pra de fato questionar e barrar os ataques do governo. Agora é o momento de chamar a greve e unificar com a luta dos professores municipais de São Paulo que estão em greve numa dura batalha contra o ataque do prefeito também tucano e pre candidato a governador, João Doria; unidade que colocaria não apenas as pre candituras em cheque mas certamente fortaleceria ambas categorias a derrotar os ataques que estão sofrendo.




Tópicos relacionados

Educação   /    Alckmin   /    Educação   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar