Mundo Operário

EDUCAÇÃO EM SP

Professores estaduais de SP ganham 30% a menos do que deveriam segundo Dieese

quarta-feira 21 de fevereiro| Edição do dia

O valor de reajuste para os professores estaduais que tramita para aprovação na Assembleia Legislativa de São Paulo é de 7%. Se aprovado, os salários-base dos professores da rede estadual serão de R$ 2.459,71 para os professores de Educação Básica I, ou seja professores do Fundamental I, e de R$ 2.585,00 para os professores de Educação Básica II, que inclui Fundamental II e Ensino Médio.

Entretanto, o quadro geral da situação dos professores do Estado de São Paulo não é, nem de longe, positivo como pode parecer a primeira vista. Há três anos os professores não recebem reajuste de seus salários e este ano, o processo de atribuição de aulas deixou centenas de professores desempregados, significando na prática a demissão desses trabalhadores.

Dos que conseguirem pegar aulas nas escolas da rede estadual, muitos foram jogados em 5 ou 6 escolas diferentes, transformando a jornada de trabalho um verdadeiro inferno.

Os professores da rede estadual de São Paulo estão entre os mais mal pagos do Brasil: SP ocupa o 8ª e 10ª posição no ranking brasileiro de remuneração segundo a formação dos professores. No Estado de São Paulo, o professor com licenciatura ganha R$ 12,08, enquanto no Amapá o mesmo professor ganha 15,75 com licenciatura e no Distrito Federal ganha R$ 18,48.

Enquanto juízes ganham supersalários de 1 milhão, professores são demitidos

O desembargador Carlos Vieira von Admek, do Tribunal de Justiça de São Paulo, ostenta seu salário, que somado com seus benefícios, chegam a mais de 1 milhão de reais, como noticiou o Esquerda Diário hoje.

Entenda: Desembargador de SP ostenta supersalário de mais de 1 milhão de reais

Enquanto isso, professores da rede estadual encontram-se nas condições mais precárias de trabalho, com salários muito abaixo do que deveriam receber, segundo cálculos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). Segundo os cálculos do Dieese, o salário do professor deveria ser de R$ 3.585,05. Com o reajuste aprovado por Alckmin e seus aliados, o salário do professor está 68% abaixo do que o necessário estimado pelo DIEESE

Apeoesp e a luta dos professores

Ontem, aconteceu a jornada de lutas contra a reforma da Previdência por todo país. Em São Paulo, as ruas foram tomadas por professores estaduais e municipais. Os professores do município também estavam enfrentando não só o ataque de Temer, mas também um ataque de Dória contra sua aposentadoria: querem aumentar para até 19% a contribuição previdenciária dos servidores.

Os professores dispõe de força de luta, dias antes se organizaram para debater e para compor o ato contra a reforma da Previdência, enquanto isso a Apeoesp, dirigida majoritariamente pelo PT e PCdoB, confundia e desmobilizava a categoria.

Apesar disso, os professores foram às ruas no dia (19), compondo a luta contra a reforma da previdência, tanto de Dória quanto de Temer, mostrando que é preciso cobrar da Apeoesp que organizem de fato uma forte paralisação.




Tópicos relacionados

Apeoesp   /    Professores São Paulo   /    João Doria   /    Alckmin   /    São Paulo   /    Professores   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar