Professores em greve do estado e município unificam a luta na zona norte de São Paulo

terça-feira 28 de março de 2017| Edição do dia

Passados 12 dias da assembleia que votou pela greve, no emblemático dia 15 de março, quando a direção da Apeoesp adiou nossa luta, nós professores da rede estadual de São Paulo iniciamos nossa greve contra a reforma da previdência, as demais reformas, a terceirização e por reajuste salarial, negado a 4 anos.

Já os professores da rede municipal entraram em greve, cumprindo o calendário da luta nacional de educação, já no 15M. Não por terem um sindicato mais combativo, mas porque o presidente Cláudio Fonseca, que pressionado pela base por ter sido candidato a vereador abraçado com nada mais e nada menos do que João Dória, o atual prefeito pelo PSDB, que quer massacrar os professores, assim como faz Alckmin no estado, teve que fingir esquecer todo seu golpismo e dizer que é contra a reforma da previdência.

As centrais sindicais, e seus votos renovados com sua tarefa histórica de entrave para a luta dos trabalhadores, não estão organizando nas escolas e nem em outras categorias um verdadeiro plano de luta para barrar a reforma da previdência, deixaram passar a generalização da terceirização, além de tentarem enterrar o sentimento que a classe trabalhadora demonstrou no 15M de vontade de combate aos ataques, agitando um dia de mobilização para o dia 31 sem absolutamente nada de concreto e chamando uma suposta greve geral só para daqui 1 mês, no dia 28 de abril.

Por isso nós professores do estado e município da zona norte de São Paulo decidimos unificar nossas lutas contra a reforma da previdência dos golpistas e achamos que só assim nossas greves e a mobilização dos professores em cada escola e região, com os pais, alunos e funcionários se fortalece.

Nos reunimos em comando de greve e passamos em diversas escolas das duas redes na região, deixando claro que não caímos na manobra do Temer de dizer que os servidores estaduais e municipais foram retirados da reforma e, muito menos, na falacia das direções sindicais de chamar greve geral para depois, bem depois.

Também gravamos um vídeo denunciando a paralisia da Apeoesp, que até agora nada organizaram e só chamaram um ato totalmente por fora dos professores para quinta-feira, que em poucas horas teve milhares de visualizações e centenas de comentários, curtidas e compartilhamentos, deixando toda a direção da subsede norte da Apeoesp (PT e PCdoB) furiosa para responder. Quem nos dera respondessem assim aos ataques do Temer, Alckmin e Dória. Enquanto isso estão totalmente voltados para organizar as eleições sindicais que anteciparam para tentar garantir rápido mais alguns anos de benesses, as custas dos professores.
(Assista no final do texto)

O dia 15M mostrou a força que a classe trabalhadora pode ter para barrar os ataques e avançar contra os golpistas. Não podemos deixar que as centrais sindicais, como a CUT e CTB, entreguem a luta contra as reformas de Temer com sua estratégia de trégua, apostando tudo em eleger Lula em 2018.

O exemplo da unificação das lutas dos professores do estado e da prefeitura que estamos dando na zona norte de São Paulo precisa chegar a outras regiões, organizando comandos, assembleias e reuniões nas escola, em cada região, junto com a comunidade escolar, ganhando força e tomando em suas mãos a luta, para pressionar os nossos sindicatos, Apeoesp e Sinpeem, para que organizem de fato e a luta da educação, inclusive com outros estados e municípios que estão em greve, que pelo calendários das centrais de deixar a luta para abril, ficam totalmente isolados, para impor que a greve geral aconteça de fato e saia da propaganda e que aconteça já, a luta contra os ataques do Temer não pode esperar.

Chamamos a todos que concordam com essa batalha para a aula pública que o comando unificado esta construindo para quinta-feira, dia 30 de março, às 9h na Praça do Jaçanã, ao lado da escola Júlio Pestana, na zona norte de São Paulo. Precisamos debater como organizar nosso comitê de luta contra a reforma na região. Vocês podem ver o evento aqui.




Tópicos relacionados

15M 2019   /    Professores São Paulo   /    Greve   /    Greve professores SP   /    Professores

Comentários

Comentar