Educação

EE RUY PIMENTA CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Professores em greve da escola Ruy Pimenta em Contagem fazem aula pública sobre a reforma

terça-feira 4 de abril| Edição do dia

Hoje foi a vez dos professores em greve da escola estadual Ruy Pimenta, no bairro Inconfidentes/Contagem, realizarem a sua aula pública. Cerca de 100 alunos e moradores da região estiveram no debate realizado dentro da escola. O chamado da aula foi feito com muita militância, com panfletagens no bairro, na feirinha do Amazonas e no Mercado Central de Contagem. Na atividade foram distribuídos materiais informativos acerca da reforma e adesivos da campanha contra a reforma da previdência.

Os professores convidaram três palestrantes, com as contribuições do Padre Ferreira da Paróquia Novo Riacho, de Lindolfo do Sindifisco e de Luis Ronaldo Bacu, assessor do deputado Rogério Correa. Nas falas os palestrantes mostraram como essa reforma favorece as classes dominantes e as grandes empresas que sonegam impostos, porque ela significa uma retirada de direitos de toda a população e porque é uma reforma imposta que está sendo passada goela abaixo da população, como frisou Padre Ferreira, também mostrando como a luta contra a reforma é uma luta anticapitalista.

Trabalhadoras da saúde e estudantes do magistério da escola mostraram sua indignação com a reforma e denunciaram que a prefeitura de Contagem por ter descontado dias de paralisação da categoria nos atos contra a reforma como uma maneira de impedir a unificação das lutas da saúde e da educação contra os ataques dos golpistas e seu governo. Também foi debatido como a juventude é afetada com a reforma e a importância da aliança da juventude com os trabalhadores com o apoio irrestrito à greve dos trabalhadores da educação, como mostrou Mariana Freitas, da Juventude Faísca.

Professores da E.E. Helena Guerra estiveram presente saudando a atividade e buscado fortalecer a mobilização de base na greve da educação. Como disse Flavia Valle, professora do Helena Guerra e militante do MRT: “Iniciativas assim estão se espalhando nas escolas em Contagem após o aulão do HG em praça pública e mostram o imenso potencial dos trabalhadores se dirigirem à população para fortalecer pela base a luta contra as reformas e o governo golpista. Essas aulas tem potencial de se transformarem em comitês massivos de luta contra as reformas e fortalecer a organização de base para fortalecer o que as grandes centrais sindicais e o PT não querem deixar acontecer: a tomada dos rumos da luta contra as reformas nas mãos dos trabalhadores juntos à população.




Tópicos relacionados

Contagem   /    Educação

Comentários

Comentar