Internacional

EUA

Professores de Massachusetts se recusam a entrar em escolas inseguras

Professores por todo o país estão lutando contra a não segura reabertura de escolas nos Estados Unidos. Em Massachusetts, educadores e demais funcionários estão se envolvendo em ações de segurança do trabalho e se recusando a entrar em prédios escolares que não tenham garantidas medidas de segurança.

quarta-feira 16 de setembro| Edição do dia

O número de casos de Covid-19 em Massachusetts está aumentando novamente. Este aumento levou o governador Charlie Baker a reduzir o limite permitido para aglomeração de pessoas ao ar livre - de 100 para 50 - e adiar indefinidamente a segunda etapa da Fase 3 do plano de reabertura do estado.

Apesar do aumento dos casos de Covid-19, as escolas públicas estão reabrindo em cidades por todo o estado, muitas com modelos híbridos de aprendizagem remoto e presencial. O Sindicato de Professores de Massachusetts defende que durante todo o verão, ou seja, durante o início do ano letivo, o aprendizado seja exclusivamente no formato remoto até que as diretorias/coordenadorias regionais de educação possam garantir a reabertura totalmente segura das escolas. Os professores expressaram preocupação com o fato de que as diretorias/coordenadorias escolares, subfinanciadas há mais de uma década e com muitos prédios precisando de reparos urgentes, não sejam capazes de garantir salas de aula com ar fresco e ventilado, necessário para mitigar a propagação do vírus. Apesar disso, cerca de 70 por cento das diretorias/coordenadorias escolares em Massachusetts planejam trazer os estudantes de volta à sala de aula em tempo parcial ou integral.

Como disse um professor em Methuen, uma pequena cidade ao norte de Boston, ao Left Voice: “As escolas vacilaram em relação ao cronograma e se as atividades seriam híbridas ou apenas remotas. A única coisa certa no planejamento parece ser garantir que estejamos por perto para cumprir nossa função de creche, sem preocupação real com a saúde dos professores ou alunos”.

Na semana passada, professores em Andover, Massachusetts, ao norte de Boston, realizaram uma atividade de segurança no trabalho. No primeiro dia de trabalho, antes do retorno dos alunos, quase metade dos professores de Andover se recusaram a entrar nos prédios do colégio para sessões de treinamento, alegando condições insalubres e falta de confiança no diretor. Os professores colocaram cadeiras e computadores portáteis para fora do colégio, com a intenção de completar um dia inteiro de trabalho. Matt Bach, presidente do Sindicato de Professores de Andover, disse: “Não acreditamos que a coordenadoria de educação tenha preparado os prédios para o retorno do ensino presencial”.

Esta ação é semelhante a outras que estão ocorrendo em outras cidades em Massachusetts e em outros estados do país. Professores em Sharon, Massachusetts, ao sul de Boston, também se recusam a entrar em prédios escolares, e a coordenadoria de educação quer que esta ação seja entendida como greve, já que greve de servidores públicos é ilegal no estado. Na segunda-feira, 14 de setembro, os professores montaram piquetes fora das escolas da cidade de Nova York para protestar contra reaberturas inseguras. Embora as escolas de Nova York estivessem abertas há apenas alguns dias e os alunos ainda não tivessem retornado, 55 pessoas já tinham testado positivo para Covid-19.

A lei no estado de Massachusetts proíbe greves de trabalhadores do setor público, e o Commonwealth Employment Relations Board (uma espécie de justiça do trabalho) declarou como uma greve ilegal a ação de segurança do trabalho dos professores de Andover. Em sua decisão, o conselho trabalhista estadual considerou que a Associação de Educação de Andover "induziu, encorajou e tolerou essa greve ilegalmente", dizendo que a alegação do sindicato de que os membros eram capazes de realizar remotamente todas as funções exigidas deles naqueles dias era "imprecisa".

O governador Baker aplaudiu a decisão do conselho de processar o sindicato e os professores em greve, demonstrando seu desdém pela segurança de professores, alunos e funcionários. A justiça e o estado se posicionaram claramente do lado oposto ao dos trabalhadores.

Mais de seis meses após o início da pandemia, é óbvio que os administradores do estado de Massachusetts lidaram de forma insuficiente e atropelada com a reabertura de escolas. Embora as autoridades estaduais tenham solicitado planejamento dos diretores escolares acerca do ensino presencial e remoto, eles negligenciaram de questionar onde os alunos estariam nos dias em que não estivessem na escola. Como resultado, creches pagas estão sendo abertas em alguns prédios de escolas públicas e centros comunitários que deveriam estar fechados devido à pandemia. E em algumas diretorias/coordenadorias de educação em Massachusetts, os pais foram obrigados a pagar mais de US $ 346 por semana por esta creche glorificada! Enquanto isso, os professores que estão lecionando “remotamente” são obrigados a comparecer a esses prédios escolares para fazer suas atividades virtuais.

O governador Baker elogiou as coordenadorias escolares em seus planos de reabertura, apesar do absurdo de ter aulas “remotas” presenciais, tanto para alunos quanto para professores, o que inevitavelmente causará contato cruzado e um aumento de casos nas escolas e nas comunidades vizinhas.

A planejada abertura de escolas em Dedham, no lado sul de Boston, já foi adiada por causa de um aumento nos casos de coronavírus. “Há semanas dizemos à administração da escola que isso é um grande erro”, disse um professor do ensino fundamental de Dedham ao Left Voice em uma breve entrevista telefônica.

Como professores, alunos e funcionários são forçados a voltar para a escola em condições inseguras, devemos apoiar sua luta pelo aprendizado à distância até que as escolas possam realmente ser reabertas com segurança para todos os professores, alunos, funcionários e membros da comunidade. Como um professor aposentado de Massachusetts escreveu em uma carta ao jornal Boston Globe: “Ensinei por 35 anos em Massachusetts, sendo membro do sindicato orgulhosamente. E, sim, minha filha é professora, e sim, meus netos foram designados para frequentar uma escola de 115 anos que não tem um sistema de climatização de ambiente, onde as janelas não abrem. Vamos acabar com essa armadilha mortal”.

Vamos realmente acabar com esta armadilha mortal que é o sistema capitalista - com a força da classe trabalhadora!

Tradução de: https://www.leftvoice.org/massachusetts-teachers-refuse-to-enter-unsafe-schools




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Professores   /    Internacional

Comentários

Comentar