Gênero e sexualidade

Primeira Parada da Diversidade: Amar não é crime!

O dia 01 de outubro entrou para a história em Marília, cidade do interior paulista extremamente conversadora, onde ocorreu a Primeira Parada da Diversidade.

segunda-feira 2 de outubro| Edição do dia

O dia 01 de outubro entrou para a história em Marília, cidade do interior paulista extremamente conversadora, onde ocorreu a Primeira Parada da Diversidade.

Durante toda a semana que antecedeu a parada, diversos ataques vindos dos setores evangélicos assim como os setores reacionários da Câmara Municipal tentaram barrar a manifestação, que desde o começo de 2017 já vinha sendo organizada por um coletivo LGBT da cidade.

Mesmo assim, o evento aconteceu contando com a presença de aproximadamente cinco mil pessoas durante todo o dia, em que se apresentaram diversas figuras LGBT’s.

Caravanas de cidades da região somaram-se a Parada, entre o percurso que partiu de frente da Prefeitura até a Vila Industrial, a Avenida Sampaio Vidal foi tomada por diversas cores e palavras de ordem exclamadas em enfrentamento a todos defensores da liminar da “cura LGBT”.

Foi relatada a detenção de duas pessoas que integravam o evento, segundo informações foram detidos por desacato a autoridade e levados ao 1° DP. Organizadores providenciaram ajuda jurídica e acompanharam o caso.

É importante ressaltar que, mesmo sendo um dia de celebração é também um dia de luta. No país que mais mata travestis no mundo, onde a cada 25 horas um LGBT é morto, a liminar da “cura LGBT” assim como as reformas do governo golpista surgem para precarizar ainda mais à vida dos trabalhadores.

Precisamos barrar esses diversos ataques, relembrar Stonewall: abaixo a “cura LGBT” e as reformas de Temer, doente é o capitalismo!




Tópicos relacionados

Faísca - Juventude Revolucionária e Anticapitalista   /    LGBT   /    Marília   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar