Mundo Operário

PRIVATIZAÇÕES

Presidente da Petrobras anuncia privatização das refinarias

sábado 26 de agosto| Edição do dia

No mesmo dia que a Petrobras fez uma manobra contábil para ajudar na privatização da Eletrobras e para preparar a privatização da BR Distribuidora, o presidente da empresa deu entrevista defendendo a privatização de todo sistema de refino da empresa.

Na entrevista concedida ao jornalista Kennedy Alencar do SBT (veja na íntegra aqui), Parente afirma que as "parcerias" melhorariam a gestão da empresa. Ou seja, que empresas internacionais de refino, geralmente com um histórico de acidentes muito superior ao da estatal poderiam ajudar o país. Na entrevista também atacou a "política de preços" da Petrobras adotada desde a ditadura que atenuava os impactos inflacionários da oscilação do petróleo. Contando só metade da história ele afirma que essa política só dava prejuízos, o que não é verdade, já que os preços constantes no mercado interno significavam perdas quando havia alta do petróleo e ganhos quando havia baixas, mas a verdade é o que menos importa a Parente e sua política privatista.

A ele interessa aproveitar a "Black Friday" de Temer e destruir o que demorou décadas para ser erguido. Quer entregar a preço de banana o parque de refino e colocar o país em completa dependência dos ditames do mercado internacional.

Para preparar esse terreno todas refinarias estão sofrendo um agressivo corte de pessoal oriundo da não contratação de novos funcionários para repor os que saíram com o plano de demissão voluntária ou se aposentaram. O resultado dessa política é um crescimento trágico de acidentes. Estão fomentando uma catástrofe para em cima dos corpos de trabalhadores falarem que é melhor privatizar.

Essa ofensiva de Parente vem ao mesmo tempo que a proposta de Temer de privatizar a Eletrobras, a Infraero, os aeroportos e até mesmo a Casa da Moeda. Para derrotar as privatizações, anular a reforma trabalhista é preciso retomar o caminho da greve geral, traído e abandonado pelas centrais em nome de suas negociações.

A defesa da Eletrobras, do parque de refino, dos aeroportos é crucial para que os trabalhadores possam impedir que recursos nacionais sejam entregues ao imperialismo, ao passo que essa luta pode permitir questionar a administração da empresa por políticos-empresários ou corruptos e possamos avançar na luta para que essas empresas sejam 100% estatais e controladas pelos trabalhadores para garantir que todos esses recursos sirvam de fato à população.




Tópicos relacionados

Privatização da Petrobras   /    Privatização   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar