Política

DENUNCIA JANOT

Presidente da Alesp defende que PSDB vote favorável à denúncia contra Temer

O presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Cauê Macris (PSDB), afirmou à reportagem que o PSDB precisa apoiar a autorização da abertura de uma ação penal contra o presidente Michel Temer (PMDB).

terça-feira 27 de junho| Edição do dia

Aliado ao governador Geraldo Alckmin, Cauê Macris afirmou que o partido não pode ficar "em cima do muro". O governador prega a manutenção do PSDB no governo pelo bem das reformas contra os trabalhadores e defendeu nesta terça-feira, 27, o fechamento de questão (quando todos os deputados da sigla discutem votar em uma mesma posição) da bancada do PSDB na Câmara sobre a denúncia.

O presidente da Alesp, Assembleia Legislativa de São Paulo, reafirmou a sua posição contrária à de Alckmin e favorável à saída do PSDB do governo, defendendo que o partido vote pelo encaminhamento da denuncia de Janot.

"O partido tem que tomar uma posição, não pode ficar em cima do muro", declarou. "Eu particularmente acho que nenhuma investigação pode ser suspensa. Afinal a Câmara não está condenando o presidente, mas vai autorizar a abertura da investigação."

Um dos integrantes da ala tucana chamada de "cabeças pretas", que defende o desembarque do PSDB do governo Temer, o deputado estadual disse que a Câmara dos Deputados não pode impedir que o Supremo Tribunal Federal (STF) analise a denúncia contra Temer. Para que a Corte aceite ou não a abertura do processo, pelo menos 342 deputados devem votar pela autorização.

"Como o PSDB vai se posicionar proibindo uma investigação de ser feita? Essa decisão é jurídica, não é da Câmara", afirmou Macris

O deputado criticou as lideranças do partido que defendem o apoio ao governo em nome da estabilidade. Alckmin e o prefeito João Doria fazem essa defesa. "Os fins não podem justificar os meios. Você não pode passar a mão na cabeça, alisar alguém que possa ter cometido um suposto crime só por conta da estabilidade do País", avaliou.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Michel Temer   /    Política

Comentários

Comentar