Política

SÃO PAULO

Prefeitura do Doria assedia professores que denunciam o absurdo racionamento das merendas em São Paulo

O Esquerda Diário está aberto para denuncias e chama todos esses professores que estão sofrendo assédio a denunciarem tanto essas práticas contra os professores como contra o racionamento das merendas nas escolas municipais de São Paulo.

Juan Dias

RIO DE JANEIRO

quinta-feira 24 de agosto| Edição do dia

A indignação nas redes sociais e os protestos que professores de São Paulo estão organizando contra a precarização e o racionamento da merenda nas escolas de São Paulo está se convertendo na pedra no sapato do atual prefeito João Doria (PSDB) que teve que receber (não ele próprio, pois está no Espírito Santo fazendo pré campanha presidencial) na tarde da quarta-feira o vereador Toninho Vespoli (PSOL) e alguns dos professores presentes no ato enfrente à prefeitura, entre eles Marcella Campos, uma das lideranças da luta contra o racionamento da merenda.

A pressão fez a prefeitura recuar, mas parcialmente, procurando outros mecanismos para continuar aplicando o racionamento de merendas. A professora Marcela Campos declarou que a situação é variada e que é mais forte o racionamento nas periferias da cidade. “Quando recebi a denúncia feita por uma outra professora, pedi a ela que fotografasse o comunicado oficial. Ele sumiu. Então o que passou a ocorrer foram reuniões em algumas escolas para a direção comunicar aos pais a nova regra, verbalmente” afirmou Marcella. Ou seja a prefeitura faz só declarações verbais sobre a política de racionamento das merendas. Nada escrito pra ser usado contra. A professora denunciou também o assédio da prefeitura contra os professores para não denunciarem essa política nefasta do Doria. “Houve também um assédio moral com os professores, para que não denunciassem. Abordei alguns professores e funcionários e eles preferiram não conversar, visivelmente preocupados com represálias. Enquanto isso os pais me confirmavam a existência da proibição”.

O Esquerda Diário está aberto para denuncias e chama todos esses professores que estão sofrendo assédio a denunciarem tanto essas práticas contra a liberdade de manifestação dos professores como contra a política absurda de racionamento das merendas nas escolas municipais de São Paulo. Também convocamos todos os professores pais e estudantes a se juntarem ao ato que está sendo convocado pelos professores em luta contra o Doria na próxima quarta-feira 30/08 na frente da prefeitura de São Paulo.




Tópicos relacionados

Racionamento da merenda   /    João Doria   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar