Mundo Operário

DENÚNCIA

Porteiros de clínica da saúde tercerizados da empresa RJ SERV estão sem salário desde fevereiro

Já são 2 meses e 20 dias sem salários de trabalhadores que estão na linha de frente durante à pandemia, além dos benefícios como vale refeição e transporte não terem sido pago integralmente.

segunda-feira 11 de maio| Edição do dia

Há 2 semanas atrás, denunciamos aqui que os porteiros das clinicas de saúde do município do Rio, da RJ SERV que foram contratados pela Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro - RioSaúde estavam sem receber os salários há 2 meses, além de não estarem recebendo integralmente os benefícios como vale refeição e transporte.

Até agora essa situação ainda persiste e se agravou. Alguns dos trabalhadores já não tem mais condição nem de pagar as passagens para irem trabalhar. Até mesmo o uniforme não estão recebendo. Com a situação gritante, foram à sede da RioSaúde cobrar explicações da empresa. A empresa falou que o repasse seria feito ainda essa semana. No entanto, a administradora negou a informação, mostrando como apenas ficam jogando a culpa de um para outro, sem resolver o problema dos trabalhadores.

Se não bastasse deixar os trabalhadores da linha de frente sem EPI’s em plena pandemia, expondo ao risco não apenas o trabalhador, como também sua família e os outros trabalhadores e pacientes dos hospitais e clínicas da família, a prefeitura de Crivella, que administra a RioSaúde, junto com os empresários da empresas de terceirização, deixam também os trabalhadores sem salários. Aproveitam do desemprego causado pela crise econômica que acompanha a crise sanitária, para intimidar os trabalhadores e os obrigarem a aceitar essa situação calados.

Ver também: Frente à pandemia, iguais direitos e condições a todos trabalhadores da saúde!

A denúncia dos porteiros se soma a várias outras denúncias dos trabalhadores de trabalhadores saúde do Rio sem salário durante a pandemia. Aliás salários atrasados não é novidade na saúde do Rio. Os trabalhadores da área protagonizaram uma greve no final do ano passado, contra o atraso dos salários.

Ver também:Crivella atrasa salários de trabalhadores da saúde pela 2º vez só no período da pandemia

O mesmo Crivella que deixa os trabalhadores sem salários também deixa a população morrendo nos hospitais. A fila de leitos de UTIs no Rio supera os 300, enquanto os hospitais de campanha prometidos estão atrasados. Além de outros problemas, como os 2 pacientes que morreram no hospital Ronaldo Gazolla após uma queda na luz esse sábado.

Ver também: Witzel e Crivella não garantem medicamentos e são responsáveis por mortes de pacientes com Covid-19

Por isso exigimos o pagamento imediato dos salários atrasados, assim como a garantia de todo o equipamento necessário para os trabalhadores na linha de frente!

Nossa vida vale mais que seus lucros!




Tópicos relacionados

trabalhadores da saúde   /    Coronavírus   /    Marcelo Crivella   /    Rio de Janeiro   /    Saúde   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar