Sociedade

LEGALIZAÇÃO DA MACONHA

Por que o sistema é inimigo implacável da Cannabis?

Gilson Dantas

Brasília

quinta-feira 16 de junho de 2016| Edição do dia

Cigarro e álcool são mais prejudiciais à saúde do que a maconha (Cannabis), dizia o editorial do New York Times. No entanto, o mesmo sistema que é capaz de reconhecer isso, jamais permitiu o direito ao autocultivo e o efetivo uso medicinal e recreativo da Cannabis, jamais, de fato, legalizou integralmente o consumo, o uso e o cultivo da Cannabis em país capitalista algum, afora outras contradições que saltam aos olhos.

Este é o tema do vídeo a seguir, que inclui trechos de um memorável debate feito sobre o tema (Leda Nagle, TV Brasil, 2014) e de uma entrevista do especialista Sidarta Ribeiro. Destaque, em especial para as declarações de Tarso Araújo, autor de um curta sobre o tema. E conclui com reportagens do La Izquierda Diario, argentino, sobre as recentes manifestações pela legalização da maconha por lá.

A criminalização seletiva da Cannabis, as décadas de repressão ao seu uso medicinal, não interessam nem à saúde pública e nem ao mais elementar direito da juventude ao seu corpo. Marchas de centenas de milhares, mundo afora, quase todos os anos, ecoam esse mesmo grito que tem a ver com a crescente consciência de que o problema não é a Cannabis e sim o sistema capitalista. Ou seja, seria uma catástrofe para poderosos interesses econômicos da big pharma, por exemplo, a revelação clara, direta, do poder e potencial medicinal da planta in natura ou do seu óleo.

Saber que causaria menos danos que o cigarro e o álcool, as autoridades sanitárias do sistema já sabem. Mas sabem também que ninguém vai fazer seu próprio alambique nem sua própria tabacaria em casa, no seu quintal ou na varanda e que certamente o mesmo não poderá ser dito em relação à Cannabis.

E se ela curasse epilepsia, se ela fosse um poderoso ansiolítico, se curasse outras doenças degenerativas? E se aquilo que várias pesquisas científicas já apontam fosse realmente trazido para a esfera da clínica médica, em hospitais públicos, gratuitamente e sob controle dos trabalhadores? E se cientistas, aliados dos trabalhadores, divulgassem informações confiáveis do poder de cura dessa planta in natura? E se divulgassem amplamente a informação de que ali onde ela foi relativamente liberada, o consumo de drogas pesadas caiu?

Dá apenas para imaginar o terremoto econômico e político se a massa de informações que já existe há décadas de repente fosse divulgada amplamente pelos movimentos sociais em luta. O projeto de lei do PTS na Argentina, que descriminaliza integralmente o uso e plantio da Cannabis é um primeiro passo no sentido de apontar saídas para esse impasse no qual os interesses capitalistas aprisionaram o problema da maconha.

Confiram o vídeo a seguir, sobretudo os depoimentos de pessoas que estudaram mais a fundo a questão.

Parte I

Parte II

(Nosso crédito e agradecimento ao programa Sem censura e seus participantes, ao Tarso Araújo, Sidarta Ribeiro e todos os que lutam sinceramente pela legalização da Cannabis)

Confira aqui os vídeos anteriores de Gilson Dantas sobre esse tema:

Cannabis, medicina e classe trabalhadora

Cannabis: um potencial médico científico barrado politicamente




Tópicos relacionados

Legalização da maconha   /    Drogas   /    Sociedade

Comentários

Comentar