×

Intolerância religiosa | Por que dia 21 de janeiro é o dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa?

No dia 21 de janeiro, temos um marco na luta ao respeito da diversidade religiosa. De 2015 a 2017, registrou-se um ato de intolerância religiosa a cada 15 horas, em sua ampla maioria contra o Candomblé e a Umbanda. Em 1999, o terreiro da Iyalorixá Gildásia dos Santos e Santos, na figura da Mãe Gilda de Ogum, sofreu um ataque de intolerância religiosa de fanáticos ligados à Igreja Universal do Reino de Deus. Gilda não superou os traumas do ocorrido e morreu de ataque cardíaco.

sexta-feira 21 de janeiro | Edição do dia

Em outubro de 1999, a lurd publica no Jornal Folha Universal uma fotografia de Mãe Gilda, com suas vestes ancestrais, e disposto aos seus pés uma oferenda aos orixás. A foto ilustrava uma reportagem sobre charlatanismo, intitulada de: “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”. No texto, afirmavam que crescia no Brasil um “mercado de enganação”. A foto de Mãe foi impressa com tarjas pretas nos olhos.

Na época, a Folha Universal tinha uma tiragem de mais de 1 milhão de unidades, um número considerável. A reportagem repercutiu na Lagoa do Abaeté, bairro de Itapuã em Salvador, local onde Gilda fundou o terreiro de Iyalorixá Gildásia dos Santos e Santos, deixando até integrantes do terreiro confusos com a aparição da Mãe num folhetim da Universal. A partir disso a comunidade do terreiro fica fragilizada e ocorrem ataques físicos à casa de Gilda e ao seu companheiro, bem como a destruição de objetos “sagrados” expostos na casa. Com a saúde fragilizada, Mãe Gilda não suportou os ataques, sua condição piorou e ela veio a óbito em 21/01/2000.

A filha de Gilda levou a Universal à justiça, ganhando uma reparação financeira, que foi contestada em 2º e 3º instância, tornando a luta de Mãe Gilda pública e conhecida por todo país. Devemos para ir além das táticas institucionais utilizadas pela filha de Mãe Gilda, que levaram a avanços, porém falharam ao se ligar ao aspecto político que é a luta contra a mistura entre e a religião e o estado, como se vê na recente nomeação de um Ministro "terrivelmente evangélico", André Mendonça, é parte da mesma batalha pela liberdade religiosa às religiões marcadas pela cultura negra, sistematicamente perseguidas pelo racismo do estado brasileiro, um dos pilares do capitalismo.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias