Política

FRENTE DE ESQUERDA ARGENTINA

Por que a grande mídia esconde a campanha da Frente de Esquerda e dos Trabalhadores na Argentina?

A mídia tradicional praticamente silencia a campanha da FIT. Na província de Buenos Aires, eles tentam impor um cenário de polarização a favor do governo.

quarta-feira 4 de outubro| Edição do dia

Os principais meios de comunicação que estão perto do governo nacional fazem tudo o que estiver ao seu alcance para esconder a campanha realizada pela Frente de Esquerda. Isso chegou ao ridículo, como relatado anteriormente, que um editorialista como Joaquín Morales Solá afirmou que a esquerda não havia superado o piso prescritivo das PASO.

Todos os dias, os principais meios de comunicação cobrem eventos de campanha e declarações do partido no poder e dos patrões. Em muitos programas de televisão, rádios e jornais, a voz da esquerda foi praticamente eliminada.

O objetivo desta decisão editorial é forçar um cenário eleitoral onde a esquerda desaparece. Na província de Buenos Aires, onde se desempenha a parte central das eleições, o objetivo é fortalecer as tendências de polarização política que existem como forma de instalar um cenário eleitoral.

Nesta província, onde a esquerda leva os primeiros candidatos a Nicolás del Caño (Deputados) e Néstor Pitrola (Senadores), o objetivo é impor um cenário onde, para milhões de pessoas, só parece possível escolher entre Cambiemos e Unidade Cidadã.
Ao mesmo tempo, com este tipo de cobertura da campanha, os grendes meios buscam que aqueles que votaram em outras forças políticas estão divididos entre macrismo e kirchnerismo.

Junto com esta tentativa de impor um cenário político eleitoral de polarização, é também uma questão de tentar limitar a entrada dessa força no Congresso Nacional. Hoje, a Frente de Esquerda é uma força que tem deputados nacionais e provinciais, bem como conselheiros em várias cidades em todo o país. A proscrição política praticada na mídia dominante ignora deliberadamente essa força.

O que se busca é garantir um Congresso Nacional onde as representações políticas dos capitalistas possam discutir e resolver seus problemas internos sem problemas. Para os grandes empresários e o governo, que tem porta-vozes proeminentes em mídia como Clarin, La Nación, Infobae ou América, para citar apenas alguns, trata-se de obter uma oposição com a qual negociar e aprovar as contas aprovadas.

Opositores de palavra, oficialistas nos fatos

Se Macri pode avançar em suas políticas de ajuste desde que chegou ao Governo, foi graças ao papel desempenhado pelo peronismo como um todo no Congresso Nacional.

Vale ressaltar que Sergio Massa foi, desde o início, um aliado claro do governo nacional. Mas aqueles que postularam como a oposição que iria "resistir" o ajuste de Cambiemos foram os primeiros a apoiá-lo.

Nem mesmo 24 horas se passaram desde a posse de Macri, quando Daniel Scioli se sentou com ele para lhe dar seu apoio para que ele pudesse governar. Não foi o único gesto do ex-candidato a presidente da FpV. Em várias ocasiões, ele notou sua coincidência com as medidas do governo. Ele chegou a recomendar Vidal para decretar a paridade dos professores. O ex-governador de Buenos Aires está em quinto lugar na lista de Unidade Cidadã para deputados nacionais por esse distrito. Com este cenário, ninguém poderia garantir que amanhã não dê os votos ao Cambiemos para aprovar as leis de ajuste.

Mas isso não acaba. Diego Bossio foi escolhido por Cristina Fernandez como candidato nas listas da FpV. Também foi uma das primeiras "panquecas" que tiveram esse espaço em Deputados. Formou o Bloco Justicialista e, a partir daí, apoiou as leis propostas pelo Cambiemos.

No Senado, o protagonista desse apoio ao governo foi Miguel Angel Pichetto. O rionegrino foi um dos garantes que governa como a lavagem de dinheiro ou o acordo com os fundos do abutre foram aprovados na Câmara Superior.
Precisamente a lavagem de dinheiro, como foi conhecida recentemente, serviu para operações realizadas pelo irmão do presidente e um de seus melhores amigos, Nicolas Caputo. Assim, o peronismo no Congresso, além de ajudar a governar, permite aos macristas fazer bons negócios.

A Frente de Esquerda no Congresso

Nestes mais de vinte meses de governo macrista, a Frente de Esquerda foi a única força política que, como um todo, não votou em nenhuma das leis de ajuste promovidas pelo Cambiemos. Ao mesmo tempo, foi o único espaço que claramente promoveu normas no interesse dos trabalhadores, das mulheres e dos jovens em uma base constante. A mesma oposição que ele manteve nas ruas mostrou no Congresso Nacional.

Foi a força que impulsionou permanentemente uma agenda ao serviço das lutas dos trabalhadores, como foi em face do conflito do professor no início de 2017, ou na difícil luta da PepsiCo, que ainda se sustenta por mais de três meses.
Nicolás del Caño, agora candidato a deputado em Buenos Aires, demonstrou um compromisso claro com as lutas dos trabalhadores. Em 2014, ele foi severamente reprimido em várias ocasiões por apoiar os trabalhadores de Lear. Este ano foi reprimido pelo macrismo por apoiar os trabalhadores da PepsiCo que lutaram contra as demissões ilegais.

Por esse compromisso com as lutas dos trabalhadores é que a Frente de Esquerda é um fator incômodo para as forças que defendem os interesses comerciais. Um fato que não pode passar despercebido é que a FIT foi a única força que denunciou abertamente as dietas concedidas por deputados e senadores. Não tendo sido pelas fortes críticas feitas por seus principais representantes - como Myriam Bregman, Nicolás del Caño ou Néstor Pitrola - nunca saberia que os legisladores nacionais aumentaram suas dietas para montantes próximos de US $ 150.000 . Lá também era evidente que, num Congresso sem presença da esquerda, as forças políticas que representam os interesses comerciais atuam com impunidade.

Nestes poucos exemplos, destacamos muitas das razões pelas quais a mídia dominante esconde a campanha da Frente de Esquerda. Um congresso sem representação da esquerda é um lugar muito mais silencioso para negociações e acordos entre forças que privilegiam a defesa dos interesses dos patrões.
Precisamente por esta razão, torna-se mais do que necessário redobrar o suporte ativo para a campanha desta força. Contra o boicote e o desprezo impostos pela mídia é uma militância crescente em apoio ao FIT no local de trabalho e no estudo, bairros e redes sociais.

Essa luta é a que pode contribuir para que haja mais deputados de esquerda no Congresso Nacional e nas legislaturas provinciais. Isso significa mais força para apoiar ativamente as contínuas lutas dos trabalhadores e populares em curso.

Tradução: Douglas Silva




Tópicos relacionados

Argentina   /    Frente de Esquerda e dos Trabalhadores (FIT)   /    Política

Comentários

Comentar