Internacional

EUA x China

Por ordem dos EUA, prendem no Canadá a filha do fundador da chinesa Huawei

Ela é acusada de violar as sanções comerciais impostas por Washington contra o Irã. Pode ser extraditada para os Estados Unidos.

sexta-feira 7 de dezembro| Edição do dia

A prisão da diretora financeira da marca chinesa de telefones e equipamentos de telecomunicações Huawei, e filha do diretor e fundador da empresa, em Vancouver, acusada de violar sanções dos EUA contra o Irã ameaça colocar em risco a trégua anunciada em o encontro entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente chinês, Xi Jinping.

Sua prisão provocou a reação do governo chinês, que exigiu sua libertação imediata. Desde que a China. criticaram esta quinta-feira que os Estados Unidos e Canadá ainda não deram qualquer explicação para a prisão de Meng Wanzhou, diretora da Huawei, e o pedido de extradição pelos tribunais norte-americanos.

"A China registrou uma queixa formal com as partes canadense e norte-americana pedindo-lhes que explicassem imediatamente o motivo da prisão e libertassem a detida", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang. "Até onde eu sei, o Canadá e os EUA não deram nenhuma explicação da razão para a prisão", disse Geng, que assegurou em uma conferência de imprensa que esta detenção "viola os direitos humanos da pessoa detida."

Meng foi presa em Vancouver em 1º de dezembro a pedido dos Estados Unidos acusada ​​de suposta violação das sanções impostas por Washington contra o Irã, segundo o Ministério da Justiça canadense, embora os detalhes do caso sejam mantidos em segredo por ordem judicial.

Em abril, o The Wall Street Journal informou que o Departamento de Justiça dos EUA estava investigando a acusada pela violação de sanções. A prisão ocorreu no mesmo dia em que Trump e o presidente chinês Xi Jinping realizaram uma reunião bilateral em Buenos Aires e concordaram com a frágil trégua comercial.

O caso lembra o enfrentado pela empresa de tecnologia chinesa ZTE, que também foi alvo de uma investigação nos Estados Unidos por ter vendido tecnologia ao Irã e à Coréia do Norte. O Departamento de Comércio dos EUA proibiu até mesmo a empresa de comprar componentes fabricados nos Estados Unidos, o que colocou a empresa em sérios apuros. Mas no caso da ZTE não chegou à prisão de um dos seus altos executivos, neste caso, Meng, que é vista como uma dos candidatas a suceder seu pai à frente do grupo.

Por sua parte, o gigante da eletrônica chinesa disse nesta quinta-feira, em um comunicado, que a empresa cumpre "com todas as leis e regulamentos aplicáveis ​​onde atua, incluindo leis e regulamentos aplicáveis ​​de controle e sanções das exportações das Nações Unidas, os Estados Unidos e União Europeia".

A prisão pode aumentar a tensão entre Washington e Pequim, que após vários meses de intensa guerra comercial com a imposição de várias ondas de tarifas e com acusações contra empresas, tinham acordado uma trégua temporária.

Na semana passada, a Casa Branca anunciou que vai "suspender por 90 dias" o plano de elevar as tarifas dos produtos chineses de 10 para 25%, enquanto Xi Jinping se comprometeu a aumentar "substancialmente" suas compras dos Estados Unidos.

Perguntado se a prisão afetará essas negociações comerciais, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês disse que ambos os lados devem respeitar o acordo alcançado entre os dois líderes e continuar o diálogo para chegar a um acordo.

A Huawei, fundada em 1987, tornou-se a maior fabricante mundial de equipamentos de telecomunicações e é uma das maiores fabricantes de telefones celulares.




Tópicos relacionados

Guerra comercial EUA x China   /    China   /    Internacional

Comentários

Comentar