Sociedade

Sociedade

Políticos e empresários usam seus privilégios para furar fila de vacinação em 12 estados

Passando na frente dos grupos prioritários para primeira leva de vacinação, em ao menos 12 estados e no Distrito Federal, políticos e empresários receberam doses da Coronavac mesmo sem fazerem parte do grupo de risco.

sexta-feira 22 de janeiro| Edição do dia

Foto: Reprodução

Em Manaus (AM), onde pessoas morreram por falta de oxigênio, e em Tupã, interior de São Paulo, a vacinação foi suspensa nessa quinta (21) após denúncias que empresários (em Manaus) e um dos sócios da Santa Casa (em Tupã) tiveram prioridade em receber a vacina mesmo sem fazerem parte do grupo prioritário. O grupo de prioridade consiste em trabalhadores de saúde, pessoas idosas residentes em instituições de longa permanência, maiores de 18 anos com deficiência e que moram em Residências Inclusivas e população indígena vivendo em terras indígenas.

Há especulações de que não há vacinas suficientes nem para todo o grupo prioritário, o que é preocupante, ainda mais quando há empresários e políticos usando de seu privilégio para mais uma vez passar na frente da população trabalhadora e dos oprimidos.

Mesmo negacionistas fazem parte dos furadores de fila, como Randolph Antônio Pinheiro da Silva, secretário de Saúde de Serra do Navio, município a 203 km de Macapá, que usou seu cargo para ser vacinado contra a Covid-19. Randolph, que chegou a questionar a eficácia da CoronaVac em outubro e em dezembro de 2020, recebeu a dose nessa quarta (20).

Isso deixa claro que o negacionismo anticiência desses políticos serve para alimentar a política bolsonarista de pouco caso com a vida dos trabalhadores, pois quando se fala da própria saúde, esses políticos são os primeiros a furar a fila para se vacinarem, entrando na frente de trabalhadores da linha de frente, que enfrentam o caos para salvar vidas com poucos leitos e precários insumos que o governo disponibiliza.

Já no Amazonas, segundo estado com mais mortes por Covid e epicentro do colapso do sistema de saúde, a vacinação foi suspensa na quinta (21), pois duas médicas cuja família é dona de hospitais e universidades particulares em Manaus estão sob suspeita de também terem furado a fila para receberem a dose da Coronavac.

Também em outros estados como Bahia, Ceará, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, São Paulo, Sergipe e o Distrito Federal políticos e empresários furaram a fila da vacinação usando de seus cargos para serem imunizados antes mesmo de pessoas com seu sistema imunológico debilitado e de trabalhadores da saúde.

Esses são os verdadeiros privilegiados desse sistema político, os mesmos que expõem a classe trabalhadora para morrerem de covid sem segurança sanitária nenhuma, espremendo-a entre o desemprego e o risco de contrair covid. Essa casta privilegiada coloca seus interesses acima da vida da população, fazendo discursos negacionistas em coro com Bolsonaro e piorando a vida da classe trabalhadora por meio de medidas como a MP 936, que permitiu reduções de salário ou até mesmo a sua suspensão.




Tópicos relacionados

Vacina contra a covid-19   /    Bolsonaro   /    Vacinação   /    Saúde Pública   /    MP 936   /    Crise do Coronavírus   /    COVID-19   /    Coronavírus e racismo   /    Coronavírus   /    privilégios   /    SUS   /    Sociedade   /    Saúde

Comentários

Comentar