Educação

EDUCAÇÃO

Política assassina de dória: Retorno presencial das aulas tem causado óbitos de professores

Dória, um capaho do capitalismo, tem empreendido uma política que força professores e alunos a retomarem aulas presenciais. O resultado tem sido catastrófico, com várias infecções e mortes nas escolas de São Paulo.

sábado 27 de fevereiro| Edição do dia

Imagem: Agência Brasil

Segundo o Portal Rede Brasil Atual em São Paulo um total de 1.045 professores registraram casos positivos para Covid-19 nas escolas. O governo Dória, numa política assassina, além de forçar alunos e professores a terem aulas presenciais sem nenhum estrutura, não tem realizdo o trabalho de registro desses casos no âmbito da educação, o que gerou mobilização Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) no registro independente desses casos.

Leia mais em: Mortes por covid sobem em SP enquanto Doria faz demagogia e impõe retorno às aulas presenciais

O governo do Estado tem se negado a divulgar dados relativos a infecções por Covid-19 do setor da educação. Segundo a Rede Brasil Atual, na terça-feira (16.02) o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, relatou que foram identificados cerca de 741 casos de Covid-19 nas escolas do Estado de São Paulo. Segundo a presidente da Apeoesp, Professora Bebel (PT), Dória tem escondido esses dados porque sabe do nível de explosão das infecções nas escolas.

É preciso destacar que essa política de Dória tem ocasionado a morte de professores, como ocorreu com a professora Maria Tereza Miguel Couto de Lourenço, de 32 anos, e da professora Rafaela de Ávila Cardoso, grávida de 8 meses, ambas falecidas por Covid-19. O mais curioso é que de forma demagógica, o governo Dória que tenta capitalizar a pandemia para se diferenciar de Bolsonaro, tem atestado que o retorno das aulas presenciais é “seguro”, ao mesmo tempo em que restringiu o acesso ao Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para a Covid-19 (Simed), deixando a avaliação da retomada das atividades sem nenhuma transparência.

Leia mais em: "Se eu morrer, eles vão suprir a necessidade da minha família?" diz professora categoria "O" de SP

O Estado de São Paulo é um dos mais infectados e com mais óbitos por covid-19 no país. E com a ausência de uma política efetiva que resguarde a classe trabalhadora, tanto governadores quando Bolsoanro tem realizado um jogo de sacrificar trabalhadores em prol da movimentação do capitalismo. Com as novas variantes que passam a circular, e a total ineficiência em prover a população de vacinas, temos no Brasil um cenário de morticínio.

Leia mais em:Novas variantes do Coronavírus: testes e sequenciamento massivos já!

O Brasil já passa de 250 mil óbitos por Covid-19, sem nenhuma ação de realização de testes massivos, reconversão industrial para a produção de insumos médicos, etc. Enquanto isso, governadores e prefeitos tem decretado lockdowns no período da noite e restringindo atividades, que apesar de apresentarem efeitos paliativos sobre a reprodução viral, tampouco conseguem de fundo resolver o problema, tendo em vista que nesse mês de Fevereiro o Brasil tem registrado índices de óbitos superiores ao do ano de 2020.

Diante disso, é preciso repudiar governos como o de Dória que agem de forma demagógica na tentativ de caitalizar a pandemia para as eleições de 2022. Sabemos muito bem que Dória serve a burguesia em detrimento da classe trabalhadora. É mais um lambe botas dos patrões que colocam o lucro acima de noss




Tópicos relacionados

COVID-19   /    Pandemia   /    João Doria   /    Educação

Comentários

Comentar