Negr@s

MARIELLE FRANCO

Polícia perde provas que deveriam servir à investigação do assassinato de Marielle Franco

Passados mais de nove meses sem solução para o crime brutal, o ministério Público rompe com a delegacia de homicídios na investigação, onde amontoam divergências entre os dois, inclusive o aparente sumiço de imagens de segurança que poderiam ser cruciais ao inquérito.

quarta-feira 19 de dezembro de 2018| Edição do dia

Menos de uma semana atrás, se completaram nove meses desde o brutal e covarde assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes. Passado todo esse tempo, as autoridades do Estado nada têm para mostrar em sentido de uma apuração de quem foram os mandantes ou executores do crime, e mesmo o general e secretário de segurança da Intervenção Federal já admitiu que o crime não tem previsão para ser resolvido ainda esse ano.

Tudo indica o envolvimento de pessoas do alto escalão do mundo do crime e da política carioca, mas até agora ninguém foi punido. É nesse contexto que surgem, agora, notícias de que imagens de câmeras de segurança, que poderiam ser cruciais à solução do bárbaro crime político, teriam desaparecido da custódia da Delegacia de Homicídios da Capital.

A investigação corre em segredo de justiça, e nenhuma explicação foi dada acerca das alegações. O que se sabe é que o sumiço das peças foi um fator crucial no agora rompimento do Ministério Público Federal com a Delegacia de Homicídios. Os dois órgãos atuavam juntos na investigação do caso até então. Mesmo Raul Jungmann, ministro extraordinário da Segurança Pública e comandante da Intervenção Federal de Temer na segurança pública do Rio de Janeiro já declarou como o envolvimento de agentes do Estado e políticos põe em risco a investigação, algo escancarado de forma mais patente no sumiço de provas nas mãos da polícia civil, e nas brigas políticas desta com o MP, atrasando as investigações e deixando livres os culpados desse crime atroz para preservar os interesses daqueles no poder envolvidos.

Marielle era um incômodo à conformação criminosa que o Estado capitalista toma, de forma especialmente gritante, no Rio de Janeiro. Denunciando o racismo institucional – encarnado na perseguição policial da população negra e das favelas, nas milhares de vidas negras inocentes perdidas nas mãos da polícia em suas “operações” e no encarceramento em massa da juventude negra, como no caso aberrante de Rafael Braga – sem falar da ligação orgânica entre o Estado e seu aparato de repressão e o crime organizado no Rio, em especial as milícias.

Para além disso, Marielle foi uma proeminente voz de oposição à genocida Intervenção Federal no Rio de Janeiro, que completava um mês de atividade ao tempo de seu assassinato. Marielle assim atraiu a atenção e o ódio de poderosos setores do Estado carioca, que não só a mataram, como agora fazem o que podem para encobrir seus crimes. Nessa atmosfera de aparente impunidade, que, descobriu-se, milicianos articulavam um plano para matar Marcelo Freixo.

O Estado, com seus mil laços com o crime organizado na cidade e no estado do Rio, não tem imparcialidade ou capacidade nenhuma de esclarecer esse crime. A polícia, próxima como é dos próprios mandantes e executores do assassinato, só faz andar em círculos, enquanto esconde do público que ela lentamente desmembra quaisquer chances sérias de elucidação do caso. A única forma de arrancar a verdade da boca dos capitalistas e seus cães de guarda na polícia e na milícia é por meio da mobilização.

É urgente articular uma luta séria, profunda, consequente e imparável pela resolução do caso e a punição dos culpados. Assim como é urgente que, tendo em vista a culpabilidade dos próprios agentes de repressão no crime, que o Estado garanta recursos e todas as condições para a realização de uma investigação independente, disponibilizando materiais, arquivos para organismos de direitos humanos, peritos especialistas comprometidos com a causa, e que parlamentares do PSOL, representantes de organismos de direitos humanos, de sindicatos, de movimentos de favelas, etc, que sejam parte da investigação, a qual deve ser compartilhada e acompanhada de perto também pelos familiares de Marielle.

A viúva de Marielle, Mônica Benício, esteve ontem em Genebra para denunciar o descaso do Estado brasileiro com o assassinato. Lá, suas palavras ecoaram o fracasso proposital das autoridades em elucidar o crime, e a necessidade de uma solução.

Denunciei o descaso do governo brasileiro na ausência de justiça frente à execução política de Marielle. Também solicitei apoio internacional, para uma investigação imparcial, e sigo afirmando que as autoridades brasileiras estarão com as mãos sujas de sangue até que respondam quem matou e quem mandou matar minha companheira Marielle Franco

Marielle Franco, presente! Anderson Gomes, presente! Por uma investigação independente já! O Estado é responsável!




Tópicos relacionados

Marielle Franco   /    Corrupção Policial   /    PSOL   /    violência policial   /    Negr@s

Comentários

Comentar