Mundo Operário

PORTO DE SANTOS

Polícia ataca direito de greve de caminhoneiros com bombas e prende sindicalista no Porto de Santos

segunda-feira 17 de fevereiro| Edição do dia

A Polícia Militar reprimiu um protesto organizado por caminhoneiros na frente do Porto de Santos. Foi usada a costumeira truculência policial contra manifestações dos trabalhadores: bombas de gás foram lançados contra os caminhoneiros e o líder sindical Alexsandro Viviani, presidente do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens (Sindicam), foi levado detido. Os caminhoneiros passaram o dia nos canteiros em torno do Porto, e dissuadiam seus companheiros para que aderissem à greve de 24h e não entrassem no Porto para a carga/descarga.

A repressão ocorreu por volta das 12:30h. O legítimo direito de manifestação dos caminhoneiros jogado no lixo, como tem sido até então nas greves. Temem, na realidade, a possibilidade de aliança dos caminhoneiros com os trabalhadores da Petrobras - isto tudo no marco de que o Desabastecimento do Porto de Santos mostra força da greve dos petroleiros.

A repressão policial e a criminalização do direito de greve está virando uma marca do bolsonarismo. A responsabilidade de tudo isto é, em primeiro lugar, de ninguém menos que o próprio Bolsonaro, que está botando a agenda de desmonte completo da Petrobras e, assim, facilitando com que o preço de combustíveis aumente mais ainda - mantendo este atrelado ao mercado internacional, que é cotado no dólar do Sr. Paulo Guedes.

Imediata soltura de Alexsandro Viviani! Abaixo a repressão! Em defesa do direito de greve e de manifestação!}

Por uma Petrobras 100% estatal gerida pelos trabalhadores e controlada democraticamente pela população, para servir ao povo com combustível barato!




Tópicos relacionados

Petrobras   /    Greve caminhoneiros   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar