Cultura

ARTISTAS CONTRA BOLSONARO

Planet Hemp agita o público durante show aos gritos de “Ele não”

D2 não mediu palavras desde o início da apresentação e entre uma canção e outra ele e Bnegão explicitaram seus posicionamentos contra Bolsonaro.

terça-feira 16 de outubro| Edição do dia

Como já é de costume, a banda Planet Hemp agitou seu público. Desta vez durante show na Taça Universitária de São Carlos (Tusca) na madrugada deste domingo (14). Entre uma canção e outra, os vocalistas Marcelo D2 e BNegão se alternavam em discursos contra a intolerância, tendo como foco deixar bem claras as intenções do candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL).

A resposta do público não tardou e a maior parte da plateia fez ecoar "Ele Não", palavras que já são marca da insatisfação contra o candidato aqui no Brasil e no mundo. No telão atrás da banda também se via o escrito.

D2 fez questão de ressaltar o caráter político da apresentação e afirmou: "Eu queria falar, lógico que é sobre política, porque a gente faz isso há 25 anos. A gente fala sobre política. É importante falar sobre política” e completou: "Vamos ouvir o outro, o que ele tem para falar, mas a gente não pode nunca mais na história da humanidade permitir racismo, homofobia, xenofobia e qualquer tipo de discriminação. Somos todos iguais. O mundo é nosso”.

BNegão explicitou radicalmente seu posicionamento contrário a Bolsonaro, dizendo que "esse cara não está ali como opção”.

Não ficou de fora das falas dos músicos também o episódio ocorrido na Escola Municipal de Educação Básica (Emeb) Carmine Botta. Alunos colaram em mural da escola cartazes com dados e estatísticas sobre intolerância religiosa e sexual. O vereador Leandro Guerreiro (PSB) retirou o material colado pelos alunos, o que gerou grande polêmica. E mais uma vez o vocalista BNegão mandou seu recado, interagindo com o público: "Vocês ficaram sabendo do que aconteceu em um colégio daqui, EMEB Carmine Botta? Fizeram um trabalho sobre sexualidade e vereadores entraram lá e rasgaram a porra toda. Vocês estão sabendo disso? Foi aqui em São Carlos. Quero mandar um salve para os alunos da Carmine Botta, metendo bronca geral. Para cima deles"!

E sobre Marielle Franco, assassinada a tiros no Rio de Janeiro em março deste ano, a banda também não se silenciou: "Tusca, vocês ficaram sabendo exatamente o que aconteceu com a Marielle Franco? Ativista dos Direitos Humanos, ativista de tudo o que é comunidade ou situação. Marielle Franco, uma das maiores que já pisaram aqui nesse país, ela foi apagada justamente pela milícia do Rio de Janeiro, que é ligada a esse ’Bozonazi’, é ligada a esse cara. A milícia do Rio de Janeiro, pra quem não sabe, é composta por policiais corruptos. Policiais que foram expulsos da força policial por assassinato, corrupção e tudo o mais. Essas pessoas mataram a Marielle Franco, e as pessoas ligadas a elas quebraram a placa da Marielle Franco. Os filhotes de ’bozonazi’ quebraram a placa da Marielle", disse BNegão.

Fonte:https://www.acidadeon.com

Fotos: Amanda Rocha




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Cultura

Comentários

Comentar