Educação

Minas Gerais

Pimentel mantém atraso histórico de salários e professores farão assembleia para greve

Os servidores de Minas Gerais receberão o salário apenas no dia 14 de março, mantendo o atraso histórico no pagamento aos servidores no estado.

quarta-feira 7 de março| Edição do dia

Os servidores de Minas Gerais receberão o salário apenas no dia 14 de março, mantendo o atraso histórico no pagamento aos servidores no estado. A situação é mais crítica até que a do Rio Grande do Sul, visto que medida do governo mineiro envolve deixar todos os servidores sem salário metade do mês. Desde fevereiro de 2016 o governo petista atrasa os salários no estado.

Para os servidores com salário até R$ 3 mil líquidos em Minas Gerais, o salário integral será depositado no dia 14 de março. Quem recebe entre R$ 3 mil e R$ 6 mil receberá a segunda parcela no dia 23. Aqueles que ganham mais de R$ 6 mil, a última parte do pagamento será creditada no dia 29.

Tais medidas fazem parte do plano de descarregar a crise econômica nas costas dos trabalhadores e da população mineira. A justificativa do governo é não ter dinheiro para pagar em dia, mas ao invés de tirar dos grandes sonegadores e empresários que lucram horrores e recebem isenções fiscais bilionárias, o governo prefere tirar dos servidores, precarizando os serviços públicos como saúde educação.

O anúncio de mais esse atraso foi feito dia 3/3, pela Secretaria de Estado da Fazenda, mesmo após a votação em assembleia dos trabalhadores da rede estadual de Minas Gerais, que definiu pela entrada em greve a partir do dia 8/3.

A próxima assembleia dos professores e trabalhadores da rede estadual está marcada para essa quinta feira (8), que também contará com protestos e paralisações no dia internacional de luta das mulheres.

Os professores pretendem iniciar nessa mesma data uma greve contra essa situação de calamidade na educação mineira. A paralisação para a assembleia pretende ser forte, com escolas 100% paralisadas.

Foto: Sind-UTE/ MG




Tópicos relacionados

Greve Educação MG   /    Fernando Pimentel   /    Minas Gerais   /    Educação   /    Política

Comentários

Comentar