Política

CORRUPÇÃO

Pezão é investigado por “corrupção passiva”

O Ministério Publico Federal alega que Pezão teria recebido valores indevidamente para a campanha eleitoral de 2014.

quinta-feira 14 de setembro| Edição do dia

O Superior Tribunal da Justiça autorizou a abertura de inquérito para investigar Pezão (PMDB-RJ) depois do pedido requerido pelo MPF depois de depoimentos de executivos da construtora Odebrescht. Isto ocorre no mesmo dia em que os servidores recebem a notícia de que seus salários serão atrasados novamente, fruto de tantas roubalheiras dos políticos do estado, e de isenções fiscais para seus amigos capitalistas.

Por via de nota o Palácio da Guanabara afirmou que “o governador Pezão reafirma mais uma vez que nunca recebeu recursos ilícitos e jamais teve conta no exterior” ressaltando que as doações de campanha foram feitas de acordo com a Justiça Eleitoral. Um mentira deslavada, já que no caso da delação da JBS, Ricardo Saud afirmou que repassou R$ 20 milhões para esta campanha em troca de uma fábrica dada por Cabral ao empresário.

O ministro Luis Felipe Salomão destacou que o relatório apresentado pelo MPF aponta "a existência de fundamentos suficientes para a prática de conduta típica", sendo necessária a investigação do caso.

Pezão já teve suas contas de 2016 rejeitadas pelos conselheiros "suplentes" (os originais estão presos) do Tribunal de Contas do Estado do Rio. Mas a Alerj lhe salvou, em troca do plano de ataques para descarregar a crise nas costas dos trabalhadores e salvar as empresas e os privilégios dos políticos, assinado por Rodrigo Maia, fingindo choro duas semanas atrás.

O MPF solicitou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) os documentos de prestação de contas da campanha do governador em 2014 e o compartilhamento de informações aos responsáveis pela Operação Lava Jato do RJ. O inquérito por enquanto vai se manter em sigilo.

Leia também: Condenam Cabral para livrar Pezão, Farsa-Jato é cortina de fumaça da corrupção capitalista




Tópicos relacionados

Luiz Fernando Pezão   /    Corrupção   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar