Política

imperialismo/pré-sal

Petroleiras imperialistas ganham leilão de maiores áreas do pré-sal

A americana Exxon e a anglo-holandesa Shell levaram as duas maiores áreas do pré-sal brasileiro, em leilão ocorrido nessa sexta-feira. A Petrobras disputou duas áreas, mas levou apenas uma.

sexta-feira 28 de setembro| Edição do dia

O petróleo brasileiro foi entregue pelo valor de R$ 6,8 bilhões, valor muito baixo comparado aos lucros que serão gerados com a extração do petróleo. As riquezas naturais do Brasil, cujo recurso poderia ser destinado para o investimento em educação e saúde pública, mais uma vez é drenado para aumentar as imensas cifras dessas multinacionais estrangeiras.

Foi o último leilão de petróleo do governo Temer, que arrecadou R$ 27 bilhões com a concessão de áreas exploratórias durante o mandato iniciado em 2016. A política pró-imperialista de entrega dos recursos brasileiros para o capital estrangeiro não é novidade do Governo Temer: a lei que aprovava a concessão de áreas do pre-sal, que supostamente voltariam para o povo brasileiro na forma dos royalties, começou no governo Dilma, que nada se dispôs a se enfrentar com as pressões imperialistas.

Com Temer no governo, as políticas pró-imperialistas se aprofundaram, abrindo ainda mais margem para a entrada do capital estrangeiro no mercado brasileiro e ataques ainda mais brutais contra direitos dos trabalhadores.

Para que de fato as riquezas brasileiras estejam à serviço dos trabalhadores e do povo, diminuindo não só o preço do diesel, mas da gasolina e do gás de cozinha, que com os altos reajustes também atacam diretamente o povo, é preciso defender a estatização completa da Petrobrás, sob gestão dos trabalhadores e controle popular. Medidas como essa poderiam ser decididas através de uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, que decida sobre os grandes temas do país, como a drenagem de nossos recursos naturais pelo imperialismo.




Tópicos relacionados

Petrobras   /    Pré-Sal   /    Imperialismo   /    Privatização da Petrobras   /    Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar