Mundo Operário

TERCEIRIZAÇÃO

Petrobras humilha e escraviza motoristas terceirizados, que estão novamente sem salário

Centenas de trabalhadores estão sem salários e sem humilhados diariamente pela Petrobras Transporte S/A.

terça-feira 22 de janeiro| Edição do dia

A maior empresa do país é diretamente responsável pela situação humilhante e degradante que ela está submetendo centenas de trabalhadores e suas famílias. O absoluto descaso da Petrobras Transporte com os motoristas da terceirizada JPTE comove e revolta trabalhadores efetivos e de várias outras empresas terceirizadas diante da falta de pagamento de salário e todos direitos trabalhistas.

Em 7 de Dezembro publicamos denúncia de que centenas de motoristas terceirizados da JPTE trabalhando na Petrobras Transporte (Transpetro) estavam sem salário em todo o país. Em 21 de dezembro revoltados com esta situação os motoristas entraram em greve nacional.

Estes trabalhadores, vitais para o deslocamento dos funcionários efetivos e para atendimento de emergências em locais remotos em todo território nacional só foram receber seu 13º salário depois do natal. Este ano voltaram a ficar sem salário e voltaram a realizar paralisações parciais e totais em diferentes dias e unidades depois do atraso do salário que deveriam receber no dia 05.

Os trabalhadores decidiram voltar plenamente ao trabalho no dia 16 com a promessa de que agora seria diretamente a Petrobras a honrar os salários e que os trâmites para isso já estavam em andamento e quase concluídos. Mas até hoje a Transpetro olha para o lado e cada setor joga no outro a culpa pela humilhação e privação que sofrem os trabalhadores . Já se vão 15 dias sem o pagamento do salário, primeiro pela JPTE e depois pela Transpetro, 22 dias sem o vale-alimentação, muitos dias sem plano de saúde. Há trabalhadores doentes que não puderam ser atendidos em hospitais devido ao cancelamento do plano de saúde.

A humilhação que a Petrobras impõe a esses trabalhadores não se limita a falta de pagamento, ficam confinados em contâiners onde eles precisam comprar sua água e levar até mesmo papel higiênico.. Precisam cada via voltar ao trabalho enquanto vai faltando comida em casa, vão atrasando contas, impostos. É a esse cenário, e sem salário, que os gerentes querem que os motoristas voltem todos dias. Na cabeça deles a escravidão não terminou

Esta é a cara da terceirização da Petrobras e em milhares de empresas pelo país, trabalhadores sem salário, com fome, e até mesmo sem plano de saúde para si mesmos e suas famílias.

Os gerentes da Petrobras Transporte que já tinham espalhado boatos de demissão de quem fizesse greve em dezembro, tentando coagir os trabalhadores, agora tentaram os ludibriar a trabalhar de graça, como escravos prometendo que seus salários seriam pagos brevemente. Pura enrolação, já se vão 06 dias desde a promessa e 15 dias de atraso no salário.

Frente à situação revoltante os motoristas estão organizando nova paralisação exigindo seus direitos e denunciando a humilhação e escravização que a Petrobras e a JPTE os submete. A situação destes motoristas terceirizados está longe de ser algo atípico na Petrobras e no país. A terceirização existe para dividir os trabalhadores, humilhar, escravizar, ajudando os empresários a aumentarem seus lucros e ir criando uma divisão dentro da Petrobras que ajude em sua privatização, projeto que é defendido pelos empresários e pelo governo Bolsonaro.




Tópicos relacionados

Petrobras   /    Terceirização   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar