Mundo Operário

LUTA DA PEPSICO

PepsiCo: polícia argentina reprime ato em defesa dos trabalhadores

Direto de Buenos Aires, ocorre ato em defesa do trabalhadores da PepsiCo. O protesto começou hoje cedo no Obelisco de Buenos Aires, próximo ao Congresso, trancando avenidas junto aos trabalhadores, organizações, deputados e personalidades que acompanham a marcha ao Congresso Nacional.

quarta-feira 26 de julho| Edição do dia

Numa nova jornada de luta pela reabertura da fábrica e contra as demissões, trabalhadoras e trabalhadores da PepsiCo, junto a organizações solidárias, realizam desde às 8hs de hoje um trancaço no Obelisco de Bueno Aires (cruzamento das avenidas Corrientes e 9 de Julho), como foi definido na reunião de solidariedade e organização que ocorreu nesta segunda (24).

Por volta das 10hs começaram a marcha até o Congresso Nacional, onde irá ocorrer uma sessão na qual os trabalhadores exigem que se discuta também sobre as demissões e fechamento de postos de trabalho, não só na PepsiCo, mas também nas demais empresas como Creta Roja, dentre outras. Levarão um projeto de lei para preservar seus postos de trabalho e um pedido de recurso contra a decisão do Ministro Jorge Triaca que atacou os trabalhadores.

Encontram-se presentes sindicatos docentes como Suteba, Ademys, AGD-UBA, agruapações de trabalhadores da alimentação, de trabalhadores estatais, de ATE, docentes, ferroviárias, telefônicas, entre outras. Também Centros Estudantis, como o da Faculdade de Filosofia e Letras e Arquiteturas de Universidade de Bueno Aires (UBA). E partidos políticos integrantes da Frente de Izquerda e dos Trabajadores (FIT), como o PTS (partido irmão do MRT na Argentina), Partido Obrero e Izquierda Socialista, junto ao MST, Poder Popular e o Nuevo Mas.

Veja também: Filosofia e Letras UBA: nova doação de $ 10 mil ao fundo de luta da PepsiCo

A deputada do PTS/FIT, Nathalia González Seligra, o candidato a deputado nacional, Nicolás del Caño, os dirigentes do PTS, Christian Cartillo e Patricio del Corro, Luiz Zamorra (AyL), Marclo Ramal (PO), Alejandro Bodart (MST), são alguns dos dirigentes que estão desde o inicio da jornada acampados junto aos trabalhadores neste luta em defesa de seus postos de trabalho.

Como manifestaram ontem (25) mediante um comunicado assinado pela Comissão Interna e trabalhador da PepsiCo Snacks Florida, "a jornada será para exigir [a reabertura dos postos de trabalho] da PepsiCo e também pelas centenas de milhares de demissões que atravessam o país. A jornada continuará durante a tarde com uma assembleia de mulheres organizada junto ao Ni Una Menos e logo um festival no acampamento. Será uma extensa jornada de luta em defesa de nosso trabalho".

Pode lhe interessar: PepsiCo, a resistência e os desafios da esquerda




Tópicos relacionados

PepsiCo   /    Mauricio Macri   /    Demissões   /    Repressão   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar