Política

PRIVILÉGIOS

Parlamentares privilegiados prolongam seu próprio carnaval

Parlamentares aprovam “carnaval prolongado” só para eles, devendo voltar à Câmara só segunda. Enquanto vivem de privilégios, corrupção e regalias, tomam medidas que são verdadeiras provocações aos milhares de trabalhadores, que não só não têm folga como veem os mesmos parlamentares aprovarem medidas como a reforma trabalhista e da previdência que preveem retirada de ainda mais direitos.

sexta-feira 3 de março de 2017| Edição do dia

Parlamentares decidiram emendar o feriado de carnaval e devem voltar ao “trabalho” somente na segunda-feira, 6. Nesta quinta-feira, 2, apenas sete dos 513 deputados marcaram presença na Casa. A última sessão deliberativa foi no dia 22 e a próxima deverá ocorrer na segunda.

Somando ao todo mais de uma semana de descanso nada merecido a essa casta privilegiada, que tem como “trabalho” negociar planos de ajuste e ataque à população e aos trabalhadores enquanto gozam a vida. Enquanto diversas profissões, como um operador de caixa, um operário de fábrica, motorista de ônibus e diversas outras tampouco têm folga durante o feriado.

São obrigados a trabalhar todos os dias, tendo muitas vezes apenas uma folga na semana ou nem isso. E a reforma da previdência prevê que um trabalhador siga com essa jornada extenuante de trabalho por longos anos.

Quem esteve na Câmara nesta quinta-feira foi por motivos particulares. A líder do PSB, Thereza Cristina (MS), tinha reunião em um ministério. Darcísio Perondi (PMDB-RJ) disse que, como mora em Brasília, decidiu despachar do gabinete. Também estiveram na Câmara dois deputados do Distrito Federal, Augusto Carvalho (SD) e Izalci Lucas (PSDB). “Fui à Câmara porque sou de Brasília. Achei uma pena não ter sessão”, disse Carvalho. De outros Estados passaram pela Casa Pedro Chaves (PMDB-GO), Geraldo Resende (PSDB-MS) e Expedido Netto (PSD-RO).

O Senado aproveitou o feriado prolongado para fazer reformas no plenário e não houve expediente nesta semana.




Tópicos relacionados

Política

Comentários

Comentar