TRIBUNA ABERTA

Para os fundamentalistas religiosos os 49 de Orlando foi uma "ajuda a sociedade"

A comoção pública pelo massacre aos LGBTs nos Estados Unidos foi grande, muitos artistas famosos se manifestaram em apoio. Em contrapartida, setores religiosos conservadores e fundamentalistas também fizeram declarações, porém, em apoio ao absurdo ocorrido.

quinta-feira 16 de junho de 2016| Edição do dia

O sanguinolento massacre ocorrido na boate LGBT Pulse na madrugada do Domingo (12), nos Estado Unidos no estado da Florida em Orlando onde o atirador Omar Mateen (29) invadiu a boate munido de uma pistola e um rifle AR-15 matando cerca de 49 LGBTS e ferindo outros 53 causou comoção internacional, vários artistas e cantores como Lady Gaga e Adele se pronunciaram e prestaram solidariedade junto aos familiares e amigos das vítimas depois da tragédia.

Em contrapartida ,o fundamentalismo radical ‘cristão’ evangélico também colocou seu discurso de ódio para funcionar em cima dos púlpitos com grande rapidez depois do ocorrido . O Pastor Roger Jimenez líder da Igreja Batista da Verdade , em Sacramento, na Califórnia deixou bem claro seus comentários favoráveis aos massacre em seu sermão durante o culto realizado em sua igreja (14) :
"Não me entristeço . Se vivêssemos em um governo direito, deveriam reunir todos eles em um paredão de fuzilamento e estourar os seus miolos."

O Pastor ainda legitima seus comentários homofóbicos e truculentos comparando a população LGBT à pedófilos e ‘sodomitas’ , fechando seu sermão como sendo o ataque ‘uma grande ajuda a sociedade ,’ afirmando que Orlando agora esta bem mais segura.

Desde o ocorrido , o que esta em voga , nas pautas e jornais internacionais é o terrorismo, que vem sendo carregado como pendão pelo atual candidato à presidência dos EUA Donald Trump, afim de mudar a raiz do problema que é claramente e indubitavelmente a homofobia , trazendo à tona posições ultra xenofóbicas, o que é de fato muito vantajoso e significativo no cenário político americano hoje.

Fato é que o assassinato de tantos jovens LGBTs e o ocorrido ter se tornado manchete em todos os jornais é somente a erupção do vulcão, o ápice de todas as tragédias e todos os assassinatos que a população LGBT sofre todos os dias. As pequenas opressões, a condenação irrefutável e os discursos de ódio vociferados por homens como Jimenez e também por seus seguidores e ouvintes dentro de suas igrejas ditas ‘lugares de amor’ não foram nada mais, nada menos do que as 103 balas disparadas por Omar contra 49 vidas inocentes, destruindo sonhos e esperança de um mundo justo, de uma vida com direito de ser quem se é.

Discursos homofóbicos como os de Jimenez, reproduzem e legitimam ações como essa além de ser todos os dias a base para centenas de mortes incluindo as da boate Pulse.

Com interpretações falaciosas, líderes eloquentes e midiáticos, uma série de valores e preceitos religiosos a igreja também no Brasil promove diretamente massacres como de Orlando diariamente. Somente no inicio do ano de 2016, em 19 dias do mês de janeiro mais 50 mortes de transexuais foram registradas .Uma bancada evangélica extraordinariamente conservadora ocupa parte do parlamento, de braços dados com Estado que no governo Dilma se negociou a aprovar o conhecido “kit contra homofobia” e agora no governo do golpista Temer dá espaço para que seu governo caminhe retrocedendo à direitos como nome social e também a discussão de gênero e sexualidade dentro das escolas , espaço que teoricamente seriam palcos para a promoção de debates políticos , expansão e visibilidade da diversidade.

É óbvia a tentativa de invizibilizar e marginalizara comunidade LGBT e toda a luta ferrenha que é travada contra as opressões que estamos sujeitos todos os dias , seja caminhando nas ruas , nos espaços que frequentamos e contra o próprio Estado usurpador.

Há muitos outros Jimenez espalhando balas gratuitamente aqui no Brasil, alimentando a homofobia , ovacionando crimes de ódio como o de Orlando. As mãos das igrejas e do Estado são responsáveis por todo esse sangue derramado.
Somos impedidos,marginalizados, negligenciados por expressar nossa sexualidade, escondidos e encorajados a não nos expormos, psicologicamente condicionados a achar que somos inadequados. O cenário é precário. Indiscutivelmente há a real e irrefutável necessidade de nos unirmos com força até os dentes, assim como foi Stonewall nos anos 60 , contra esse Estado capitalista beneficiador direto de uma igreja que faz de suas palavras armas de pistola sendo responsável imediato pelas agressões, opressões e assassinatos de LGBTS em todos os cantos do pais.

Sejamos uma só voz em todo o mundo, contra as mortes dos LGBTs, contra os crimes de ódio e por um novo Stonewall!




Comentários

Comentar