Política

DIREITA TOSCA

Para o deputado Bolsonaro, os grandes problemas do Rio são gás de cozinha e o paintball

quarta-feira 14 de junho| Edição do dia

Enquanto 208 mil servidores do Rio de Janeiro receberam a notícia que passariam o mês com R$ 700 de pagamento, o Deputado Flávio Bolsonaro segue em uma violenta cruzada na ALERJ e em sua página oficial de Facebook contra a maldita burocracia encontrada para se instalar o gás de cozinha ou para se praticar o "Airsoft" e o "Paintball" (brincadeiras de tiro).

O Deputado e ex candidato a prefeito do Rio, que demagogicamente aproveitava o desgaste do PMDB para tentar se alçar como candidato, curiosamente nada falou sobre os servidores que ficaram sem receber seus salários referentes a Abril, nada disse sobre os milhares de aposentados que receberam menos de um salário mínimo para passar o mês, sem previsão de receber o resto da quantia referente a abril, como noticiamos aqui. O poderia ter comido a língua de Bolsonaro?.

Ao rolar para baixo na página do candidato, constatamos que nada fala sobre a crise do estado do Rio, e os ataques aos servidores que por algum momento fingiu não concordar por puro oportunismo político. Ao invés disso, temas candentes como a regulamentação do gás de cozinha ou as regras restritivas aos praticantes de Paintball e Airsoft, ou a campanha presidencial de seu pai, Jair Bolsonaro, tão "de fora do regime político" que já se ausentou de seu cargo em Brasília para fazer campanha com dois anos de antecedência.

Quem cala consente, ou ainda, boca fechada não entra mosca, podem ser as máximas adotadas pelo ex candidato a prefeitura que pode até iludir alguns desavisados com seu discurso "anti-corrupção junto com o PP e o PSC", ou em defesa da Lava-Jato que somente condena Cabral para aliviar para Pezão, mas que agora se cala enquanto os servidores do estado e o povo pobre sofre a penúria, os salários atrasados, o desemprego, além da violência policial que este político defende contra negros e pobres nas favelas.




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar