Sociedade

PREFEITO EMPRESÁRIO

Para Alexandre Kalil, o futebol é coisa de empresários

Prefeito de Belo Horizonte se coloca a favor da elevação dos preços das entradas para o futebol na cidade e se coloca mais uma vez a favor dos empresários e contra o trabalhador.

terça-feira 18 de julho| Edição do dia

O atual prefeito de Belo Horizonte e ex-presidente do Clube Atlético Mineiro Alexandre Kalil declarou em entrevista publicada no jornal El País nesta segunda-feira, 17, que “futebol não é coisa de pobre”, justificando a alta dos preços dos ingressos e seu veto ao projeto de lei que reservaria 30% dos ingressos para os jogos de futebol da capital mineira a preços populares.

Kalil já deixou explícita sua posição de fortalecer aos empresários desde sua campanha para a prefeitura onde exaltava sua trajetória empresarial até os dias atuais de sua gestão onde expulsou centenas de vendedores ambulantes das ruas de BH, inclusive sem hesitar em contar com o auxilio da violência da polícia militar, gente que em meio à pesada crise econômica que passa o país tirava seu sustento do trabalho nas ruas.

O pensamento de Kalil, que se define orgulhosamente como empresário apesar de ocupar atualmente o cargo de gestor público, onde deveria atuar em favor da população, sobretudo a trabalhadora, expressa o pensamento de toda uma classe que vive da exploração de gente simples e direita e do lucro a qualquer custo, mesmo que custe a negação do acesso de um trabalhador àquele que muitas vezes é o seu maior e talvez o único momento de lazer e felicidade que é o futebol.

Todo o histórico das políticas sustentadas por Kalil, desde sua campanha até sua gestão provam que o prefeito, sem o mínimo de escrúpulos, está à serviço dos empresários e de seus lucros e contra de que os trabalhadores desfrutem de uma vida com o mínimo de dignidade que é a garantia do sustento de sua família, mesmo que seja através de um emprego informal e de acompanhar e torcer pelo seu time do coração, coisa que faz parte da identidade de grande parte da classe trabalhadora.




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Política

Comentários

Comentar