Política

RIO DE JANEIRO

PRB de Crivella apoia pacote de maldades do Pezão: "cuidar das pessoas" atacando direitos?

Carlos Neira

RIO DE JANEIRO

segunda-feira 30 de janeiro de 2017| Edição do dia

O Partido Republicano Brasileiro (PRB), partido do atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella, que irá cumprir o primeiro mês de gestão, anunciou recentemente um acordo com o PMDB e o governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão para apoiar o pacote de maldades que será enviado à ALERJ.

O sem fim de críticas proferidas por Crivella no primeiro turno contra o PMDB tem se demonstrado agora e em ocasiões anteriores como críticas vazias e pura demagogia eleitoral. Anteriormente o PRB, partido que é controlado pela Igreja Universal do Reino de Deus com Edir Macedo, tio de Crivella à cabeça, já apoiou o golpe institucional, que colocou Michel Temer como presidente. Posteriormente o Partido Republicano votou em bloco a favor da PEC 241/55, a PEC do fim do mundo, que representa um forte ataque para o futuro dos serviços públicos, da saúde, da educação e da vida de milhões de trabalhadores e trabalhadoras congelando os gastos públicos por 20 anos.

Com esse histórico de apoio a ataques contra os trabalhadores e o recente acordo com Pezão para aprovar o pacote de maldades na ALERJ, fica claro que o caminho do PRB e do prefeito Crivella é totalmente oposto ao de "cuidar das pessoas". Apoiar uma PEC como a do fim do mundo, que praticamente destrói os serviços públicos no Brasil, e ainda fazer um acordo com Pezão para aprovar um pacote de ataques e privatizações de serviços públicos como a CEDAE não é "cuidar das pessoas", mas sim passar por cima dos direitos de mulheres, jovens, trabalhadoras e trabalhadores e atacar o futuro destes para garantir a continuidade dos lucros de uns poucos empresários. O acordo com Pezão para aprovar o pacote de maldades foi feito em troca do comando da Secretaria de Agricultura e Pecuária para o partido de Marcelo Crivella




Tópicos relacionados

Luiz Fernando Pezão   /    Marcelo Crivella   /    Rio de Janeiro   /    Pacote de ajustes   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar