Economia

RECESSÃO

PIB gaúcho caiu 3,1% no segundo trimestre de 2016

Os dados são da FEE (Fundação de Economia e Estatística). Apesar do leve crescimento da construção civil, o PIB segue em queda na comparação com o mesmo período do ano passado. O desemprego continua elevado

terça-feira 13 de setembro| Edição do dia

Em linha com a economia nacional, o Rio Grande do Sul vem acumulando quedas desde e segundo semestre de 2014, com um pequeno respiro no segundo trimestre de 2015.
A queda neste semestre foi generalizada em todos os setores, agropecuária (0,8%), serviços (2%) e indústria (2,5%). A arrecadação de impostos sofreu uma queda ainda maior, de 7%.

O ritmo de queda perece ter diminuído, já que é o segundo trimestre em esse ritmo parece se desacelerar. No entanto, na comparação dos últimos quatro trimestres em comparação com os quatro anteriores, o ritmo continuou aumentando e chegou a quase 5% neste último trimestre. Isso se deve, sobretudo, a queda acelerada no segundo semestre de 2015.

No caso da indústria, apesar da recuperação do setor de metalurgia (8%), foi significativa a queda alta do setor de maquinas e equipamentos (7,2%), o que poderia indicar a ausência de novos investimentos e a continuidade da queda no setor. Ao mesmo tempo, o grande crescimento do setor de papel e celulose (69,5%) poderia apontar para uma recuperação mais sustentada (as encomendas deste setor costumam antecipar a expectativa de produção futura dos outros setores). A queda forte do setor de sérvios e comércio, também indica um limite da para uma possível recuperação. A taxa de desemprego também não dá sinais de recuperação, ficando estável acima de 10%.




Tópicos relacionados

Porto Alegre   /    crise econômica   /    Crise gaúcha   /    Economia

Comentários

Comentar