Internacional

CORONAVÍRUS E LUTA DE CLASSES

Os trabalhadores migrantes radicalizam as manifestações no Líbano

Os migrantes são o setor mais precarizado do Líbano. O aprofundamento da crise no país fez com que milhares tomassem medidas mais radicalizadas.

terça-feira 12 de maio| Edição do dia

O Líbano atravessa uma das suas piores crises no terreno econômico e social, agudizada pela pandemia do COVID-19. Desde outubro passado ondas de manifestações contra o regime instaurado após a guerra civil que terminou em 1990 são vividas. Nas últimas semanas, os manifestantes tem rompido o confinamento obrigatório para inundas as ruas contra as políticas do Banco Central e do Governo de congelar a troca de dólares da lira libanesa, para evitar a escassez da moeda norteamericana, no marco da depreciação da moeda.

Estas manifestações atuais se transformaram em novas revoltas de fome, dando continuidade às começadas no outubro de 2019 que derrubaram o primeiro ministro Harari, e que se colocam contra o governo, apoiado em um regime sectario religioso, contra a austeridade, a corrupção política, a falta de responsabilidade, o desemprego, a recessão e os impostos planificados em produtos básicos como o combustível o tabaco e os serviços de comunicação como o Whatsapp.

A grande maioria da população depende do câmbio de dólares das remessas do exterior, ou do pagamento em dólares dentro do Líbano para enviá-lo para suas famílias em outros países.

É por isso que os trabalhadores recoletores de resíduos da empresa Ramco protestam, que exigem o salário em dólares ou seu equivalente na moeda local. Muitos deles são sírios, palestinos, nepalis, bengalis ou índianos. Durante toda a tarde desta terça-feira levantaram barricadas enfrentando a repressão da Polícia Militar em sintonia com a radicalização que tem alcançado as manifestações nas últimas semanas.

O desespero, a angústia e a raiva tem feito com que as manifestações do país sejam mais violentas. As agências bancárias tem sido bombardeadas e queimadas com molotovs, e um manifestante foi assassinado recentemente na cidade do norte Trípoli depois que as forças repressivas abriram fogo com balas de borracha e munição real.

A ex-colônia francesa abriga centenas de milhares de trabalhadores migrantes. O caso mais indignante é o de pelo menos 250.000 trabalhadores domésticas sob o sistema de contratação “kalafa”, provenientes das Filipinas, Etiópia e outros países africanos ou do sudeste asiático. Este regime de trabalho impõe condições semiescravas, utilizado em todo o Oriente Médio, implica a vinculação da residência legal dos trabalhadores migrantes com seus empregadores, sendo totalmente abusivo, aumentando o risco que sofram exploração trabalhista, trabalho forçado e tráfico de pessoas, já que muitas delas acabam na prostituição.

Além disso, no mês passado a Human Rights Watch advertiu que mais de um milhão de refugiados sírios corriam risco de passar fome durante o bloqueio do coronavírus se o Governo não os acudisse.

No começo de 2020, a pobreza já estava ao redor de 50% com uma taxa de desemprego de 46% segundo o presidente libanês, Michel Aoun. O confinamento obrigatório pelo vírus aumentou o desemprego e a pobreza, enquanto que a fome está se estendendo por todo o país provocando uma queda enorme no nível de vida da classe trabalhadora. O Ministro de Assuntos Sociais, Ramzi Mousharafieh, estima que 75% da populção precisa de ajuda em um país com ao redor de seis milhões de pessoas. A Human Rights Watch declarou que metade dos residentes do Líbano correm risco de passar fome já que o governo não garantiu assistência para aqueles que perderam seu sustento. Hoje, com a desvalorização, estão pagando 4000 liras libanesa por dólar.

As manifestações no Líbano vem combatendo o colapso da economia do país, que arrasta uma das dívidas públicas mais altas do mundo, 76 bilhões de euros, 150% do seu PIB, enquanto o atual Primeiro Ministro Hassan Diab negocia um novo resgate do FMI por 10 bilhões de dólares e outro plano de ajustes. A situação atual mostra a debilidade da economia libanesa baseada nas finanças, na lavagem de dinheiros e no turismo 30 anos depois da guerra civil que ainda guarda enormes tensões entre as diferentes facções do governo. No entanto, os manifestantes parecem superar as diferenças étnicas e religiosas no momento, e inclusive nacionais para evitar morrer de fome.

A pandemia havia colocado os processos de luta de classes em todo o mundo em stand by, mas as revoltas pelo pão no Líbano, as lutas dos trabalhadores da Amazon e dos trabalhadores da saúde nos EUA, as manifestações pela fome na Bolívia, ou as greves operárias na França, Itália ou Espanha estão.

Publicado originalmente no La Izquierda Diario Argentina




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Oriente Médio   /    Internacional

Comentários

Comentar