Internacional

CHILE

Os portuários saem em apoio à luta docente contra o governo chileno

Trabalhadores portuários de várias regiões e da União Portuária do Chile, difundiram declarações, vídeos e fotos em apoio à greve nacional dos professores e convocaram a juntarem às próximas mobilizações.

quinta-feira 27 de junho| Edição do dia

"Portuários de todo o país estão apoiando professores, um movimento que o Ministro Cubillos está se transformando em social." Esta declaração foi feita a partir do Facebook dos trabalhadores da União Portuária de Biobío, na terça-feira 25 de junho, ao compartilhar outra publicação feita pelo porto de Antofagasta, onde convocam a população a participar do "cacerolazo" na quarta-feira, 26.

A solidariedade é com a luta de centenas de milhares de professores que se manifestaram durante as últimas semanas em uma greve por tempo indeterminado que nesta segunda-feira entrou em sua quarta semana, frente à nula resposta do governo.

É uma expressão que a mobilização nacional docente professor gerou um amplo apoio popular em todo o país - muito superior à aprovação do presidente Piñera, suas autoridades e projetos de reformas - que se manifesta em vídeos e fotos de trabalhadores diversos setores, tais como os Correios do Chile, Komatsu, ferroviários de Antofagasta, trabalhadores industriais, além de artistas, músicos e intelectuais.

Um exemplo de solidariedade se viu na segunda-feira 24, em Antofagasta e Calama, onde foram realizados bloqueios de rua e protestos entre professores, estudantes, mineiros de Chuquicamata e trabalhadores em greve na empresa Conveyor, com o objetivo de unificar e coordenar as vários luta contra a intransigência do governo de Piñera e fazendo um chamado à uma marcha unificada para esta quarta-feira, na cidade mineira.

Os professores de Antofagasta emitiram um declaração onde fazem um chamado para "marchar juntos professores, mineiros, alunos e a comunidade para fazer frente com a intransigência e repressão que o governo implantou contra os setores mobilizados".

Na terça-feira, 25, foi a vez dos portuários de Quinteros-Ventana, que já haviam transmitido um vídeo convocando participar das manifestações dos professores, que resultou em uma marcha de unidade junto a professoras, professores e delegados dos mineiros, que visitaram as ruas do porto industrial e mineiro de Ventanas, V Região.

As demonstração de apoio à luta dos professores vêm dos portos de Iquique, Ventanas e Lirquén, garantindo que eles se juntariam às manifestações dos professores, assim como vários portos do norte e do sul o fizeram por meio de vídeos.

A partir do União Portuária de Antofagasta, foi divulgado um comunicado onde eles chamam de "todos os sócios dos sindicatos para marchar e ir ao panelaço a ser realizada amanhã (quarta-feira) pelos professores em Antofagasta nos encontraremos no porto às 18hrs, a União Portuário de Antofagasta já se comprometeu a marcar presença nesta atividade, os professores precisam do nosso apoio e é nossa obrigação social dar-lhes apoio desta vez, pois tantas vezes eles marcharam conosco, apoiar a paralisação dos professores é apoiar uma mudança social é apoiar a mudança na educação de nossos filhos, netos, sobrinhos, assim como é apoiar na rua as mudanças que são necessárias hoje no Chile ".

No mesmo sentido expressou a convocatória de União Portuária de Biobío para mobilizar com os professores na quinta-feira 27 em Concepción: "Os portuários sempre estiveram com as lutas sociais e tem se manifestado ao longo do tempo com o movimento estudantil e com o Movimento NO + AFP entre outros, mais uma vez chamamos para apoiar os professores do Chile e apelamos ao Ministro Cubillos para encontrar soluções para as demandas de nossos professores. Cada porto do país em forma autônoma toma decisões e ações para apoiar o movimento. É hora de aqueles que educam nossos filhos serem ouvidos e valorizados pelo seu trabalho", disseram os trabalhadores portuários em sua página no Facebook.

Outro vídeo divulgado foi o dos trabalhadores da União Portuária de Penco Lirquen e de Punta Arenas.

Mais de 25.000 visualizações teve o vídeo publicado pelos portuários de Puerto Chacabuco, que enviaram "uma saudação aos professores e mineiros que estão mobilizados".

A paralisação nacional docente tem 90% de adesão e já fez várias mobilizações, a última que partiu de três pontos de Santiago, e que encheu as ruas em diferentes partes do país. No entanto, o governo de Sebastián Piñera continua sem responder às demandas. A posição inflexível do governo é dada mesmo quando o próprio Ministério da Educação reconheceu que a paralisação "está afetando mais de meio milhão de estudantes". Nesta quarta-feira pela primeira vez, na quarta semana de desemprego, o Ministro da Educação sentou-se para conversar com os líderes do sindicato dos professores, e amanhã eles se encontrariam uma segunda vez amanhã. O sindicato dos professores afirmaram que a reunião terminou sem "avanços ou retrocessos" e que a greve continua.

Enquanto continua a intransigência do governo de Sebastián Piñera, a unidade é crescente nas ruas entre os trabalhadores, trabalhadoras e estudantes, mostrando o caminho para conquistar não só as demandas educacionais, mas também todas as reivindicações de diferentes setores da sociedade que questionam a falta direitos básicos, repressão, condições de trabalho precárias da maioria da população, miseráveis ​​salários e pensões e também é a força necessária para barrar as reformas precarizadoras que impulsionam a direita os empresários.

A meta do governo Piñera é evitar um triunfo da mobilização docente, não conceder qualquer demanda estrutural e eliminar a possibilidade de que uma vitória dos professores se transforme numa luta muito mais profunda que envolva membros nas ruas de outros setores da classe trabalhadora do país, o movimento estudantil e outros movimentos sociais.

O presidente é questionado e com seu governo em um momento de fraqueza, então se apressa em aprovar as reformas estruturais exigidas pelos grandes empresários e tentando aprovar com a ajuda de setores da "oposição" como a Democracia Cristã.

O apoio de trabalhadores que são um sector-chave da economia chilena, como os portuários, às marchas e panelaços mostraram um fato progressivo, que não se aprofunda produto da passividade das direções burocráticas dos sindicatos e da CUT (central sindical chilena).




Tópicos relacionados

Chile   /    Internacional

Comentários

Comentar