Economia

FUGA DE CAPITAIS

Os mercados emergentes perderam 23 bilhões de dólares desde outubro

Uma sondagem do Instituto Internacional de Finanças confirmou que desde o mês de outubro os investidores estrangeiros sacaram 23 bilhões de dólares de suas cadernetas em mercados emergentes.

quinta-feira 22 de dezembro de 2016| Edição do dia

O Instituto Internacional de Finanças (IIF) realizou um levantamento de dados, confirmando que desde os primeiros dias de outubro saíram ao redor de 23 bilhões de dólares dos chamados mercados emergentes.

Os oito países que o IIF analisou tiveram fluxos de saída nos sete dias até 14 de novembro, e são: Indonésia, Índia, Coreia do Sul, Tailândia, Filipinas, África do Sul, Brasil e Hungria.

A cifra permite também visualizar que cerca de 18 bilhões de dólares, ou seja, a maior parte, saíram acelerados pelo resultado eleitoral nos Estados Unidos, que coroou Donald Trump, logo após o dia 8 de novembro.

Esta situação, disparou uma importante contracorrente nos fluxos de fundos, reportou o IIF. A última alta de taxas da FED a uma faixa entre 0,5% e 0,75%, piora a situação dos mercados emergentes. “Quase a metade dos fluxos totais de saída foram de ações e bônus indianos, refletindo parcialmente a situação tumultuosa que se seguiu a uma controvertida iniciativa de desmonetização”, escreveu o IIF em um comunicado.

Para o IIF o efeito Trump não é o único que permite explicar a saída de capitais, outros catalisadores mencionados foram “a crescente incerteza pelo Brexit, o nervosismo pela saída de capitais da China, a antecipação de uma alta das taxas de interesse nos Estados Unidos em dezembro – algo que ocorreu – e a agenda de Trump”.

As ações sul-coreanas foram a única categoria de ativos analisados pelo IIF que registrou ingressos de fundos durante o período, grande parte deles desde o julgamento político da presidenta Park Geun-hye.

Texto traduzido do La Izquierda Diário: Los mercados emergentes perdieron 23 mil millones de dólares desde octubre




Tópicos relacionados

Economia internacional   /    Economia

Comentários

Comentar