Internacional

Argentina

Os Gladiadores do Altar (Igreja Universal): soldadinhos de chumbo da extrema direita

A evangélica "Igreja Universal" (que desempenhou um papel central no triunfo de Bolsonaro) vem, há anos, formando bandos de adolescentes homens que pretendem "fazer a obra de Deus e desfazer as obras do mal".

segunda-feira 5 de novembro| Edição do dia

Um vídeo que foi viralizado neste momento pelas redes sociais mostra imagens da formação do exército dos "Gladiadores do Altar", um bando militar de jovens imbuídos de certo misticismo guerreiro.

Sem dúvida, a formação dessas "milícias" e a viralização dessas imagens na Argentina não faria parte da agenda pública desse país se não fosse a ascensão e o triunfo eleitoral de Jair Bolsonaro no Brasil, berço da Igreja Universal do Reino de Deus.

Como é do conhecimento público, essa seita cristã fundamentalista acabou sendo um fator importante da eleição do novo presidente brasileiro.

Mas os Gladiadores do Altar estão se formando há anos nos templos que a "A Universal" possui no Brasil, Argentina, Colômbia, Peru e outros países da América Latina.

Guerra santa

No vídeo recentemente viralizado (que na verdade é de 2015), uma locutora é ouvida dizendo que os jovens Gladiadores do Altar são homens que "renunciarão a muitas coisas para serem preparados por Deus. Nós formaremos uma nova geração de pastores guerreiros, determinados a fazer a obra de Deus e desfazer as obras do mal. Eles farão o inferno tremer. Gladiadores, aqueles cuja força está em seu espírito ... "

Atenção Gladiadores! - Bispos dizem em plena cerimônia

Altar, altar, altar! - respondem em tom uníssono dezenas de meninos vestidos em calças de gabardina, camisas de algodão estampada com escudos "exército" e mocassins que, marchando em passo militar, geram um barulho estrondoso no templo.

Vocês são jovens que atenderam ao chamado do nosso supremo General, o Senhor Jesus Cristo. Jovens que dizem "se Deus me usa para o seu trabalho", quero levar a palavra do meu Deus - os bispos discutem.

Na Argentina o lançamento de "Projeto Gladiadores do Altar" começou há mais de três anos, no âmbito da "Vigília dos Fortes". E foi concomitante com o lançamento no resto dos países.

Embora as transmissões da Igreja Universal não se espalhem muito e seja difícil obter informações sobre o atual andamento da construção da "milícia" na Argentina, a verdade é que o projeto militarista para a "guerra santa" não é apenas baseado na difusão ofensivamente a "palavra" ditada pelos bispos portuñoles. É também o caminho para transformar esses jovens em uma força de choque treinada para contribuir com o que, segundo eles, “Deus precisa para o seu plano”.

Em meio a um aprofundamento da crise econômica e a emergência em vários países de líderes políticos burgueses que fazem o estilo messianismo e violento contra a classe trabalhadora e as minorias sociais, esses embriões fundamentalistas não devem ser deixadas sem atenção

Seitas que magicamente prometem magicamente o fim das privações econômicas e sociais (se você junta-se a eles, "Você para de sofrer") crescem muito mais quando há um terreno fértil, onde a pobreza em massa e discriminação social fazem parte dos "modelos” político-econômicos hegemônicos.

Claro, essas seitas praticam assistencialismo e contêm os pobres. Mas aqueles que as administram são bilionários.

Farsa televisiva ambiciosa (e perigosa)

O primeiro templo da Igreja Universal do Reino de Deus na Argentina foi construído em 1990 numa rua de Lavalle na cidade de Buenos Aires. Hoje eles têm dezenas de templos em toda a capital, grande Buenos Aires e as cidades mais importantes de todas as províncias argentinas.

Como eles se definem, esta seita é atualmente "a maior responsável pelo crescimento evangélico no mundo". Na Argentina já tem milhares de fiéis.

A faceta mais visível e talvez a mais bizarra da Universal é a sua presença pública (a custo milhares de milhões de pesos) em longas emissões de rádio e TV durante o início da manhã.

No entanto, essa agressiva campanha de comunicação é uma de suas estratégias mais planejadas e na qual eles investem grandes recursos, levando massivamente o sinal de suas próprias mídias ou espaços alugados em mídias ainda mais massivas.

Os Estados Unidos, o Canal 9 e outros canais, longe de negar o fundamentalismo da Universal, recebem somas exorbitantes de dinheiro para que seus sinais sejam controlados durante a madrugada pelo bolsonarismo evangélico.

É claro que os bispos proíbem qualquer tipo de filme em suas cerimônias, a não ser as imagens que a própria Igreja registra e divulga. E embora o jornalismo seja formalmente solicitado, eles não dão nem permitem que alguém dê entrevistas em nome da seita.

Os mandarins da Igreja recolhem de forma frenética, permanente e sistemática grande parte das economias, convencendo os fiéis de que "toda a riqueza deste mundo é de Deus” e, portanto, tem que-se dar sem cerimônia todos os seus recursos a seus representantes no a terra. Ou seja, para eles.

Então, eles pedem para ficar com heranças, fortunas familiares e poupança pessoal de almas perdidas que, em troca (não verificáveis) curas físicas e calmas de alguns males do mundo, deixam tudo para a promessa de salvação eterna.

Mas ainda entregando tudo, os fiéis devem pagar preços nada baratos a pequenas cruzes de madeira berreta "carregada" do perdão divino e água derramado em garrafas de plástico, que supostamente, foi reunida em um rio no Oriente Médio.

Segundo várias pesquisas dos últimos anos, os expoentes da Universal confessaram que a estrutura de arrecadação deles é semelhante à de qualquer empresa multinacional, com metas específicas por templo, por cidade e por país. Os gerentes dos bispos são responsáveis por cumpri-los a ponto de, se não o fizerem, sofrer até o exílio.

Cabe dizer que muitos dos fiéis evangélicos fanáticos são apenas ex-crentes católicos apostólicos e romanos ou filhos de famílias católicas desencantados. Portanto, enquanto encobre seus próprios escândalos de abuso sexual maciço e várias corrupções, a instituição comandada por Francisco enfrenta sua própria "luta" contra a seita evangélica.

À luz do sucesso econômico fenomenal da Universal, é claro que o ódio da Igreja Católica para este outro culto cristão não deve apenas a disputa para capturar “almas perdidas”.

Texto original: http://www.laizquierdadiario.com/Los-Gladiadores-de-la-Iglesia-Universal-soldaditos-de-plomo-de-la-ultraderecha




Tópicos relacionados

Extrema-direita   /    Igreja Universal   /    Internacional

Comentários

Comentar