×

Argentina | Organizações políticas e sociais se mobilizarão contra o acordo entre o governo argentino e o FMI

Líderes de organizações políticas, sociais, trabalhistas e de direitos humanos se reuniram para coordenar uma mobilização maciça para rejeitar o pacto de rendição e austeridade com o FMI.

quarta-feira 2 de fevereiro | Edição do dia

Em uma rápida resposta aos anúncios da última sexta-feira, quando o governo argentino Alberto Fernández confirmou que assumirá nova dívida para pagar até o último dólar da dívida contraída pelo ex-presidente Mauricio Macri, após avançar um acordo de princípio com o FMI que envolverá muitos mais anos de ajuste e rendição, na segunda-feira, representantes de dezenas de organizações de esquerda se reuniram na cidade de Buenos Aires.

Com uma faixa ao fundo que diz "Basta de ajustes. Não ao pagamento da dívida. Fora FMI", mais de cinqüenta oradores tomaram a palavra sucessivamente, sob a coincidência de coordenar uma mobilização maciça na Plaza de Mayo na terça-feira 8 de fevereiro às 18h, para rejeitar este novo acordo.

O chamado foi promovido pelo espaço "Fora FMI" que, sob proposta da Frente de Esquerda Unidade, já havia liderado uma mobilização maciça em 11 de dezembro passado.

Diante deste novo pacto de subordinação ao FMI, que procura vincular a Argentina aos planos da organização internacional, avançar em um ajuste das condições de vida do povo trabalhador, assim como submeter a economia nacional a revisões periódicas por parte dos funcionários da organização, é que este encontro procura coordenar as diferentes organizações sociais, sindicais, estudantis, de direitos humanos, de mulheres, sócio-ambientais e políticas que fizeram parte da mobilização de 11 de dezembro passado, contra o pagamento da dívida e do FMI, a fim de multiplicar a mobilização nas ruas, procurando redobrar esta força.

Trata-se de tomar medidas no caminho de alcançar um verdadeiro plano nacional de luta, para impor uma solução operária e popular para a crise atual, para que aqueles que são realmente responsáveis, os grandes patrões, e não o povo trabalhador, paguem por ela.

Estiveram presentes na reunião líderes e personalidades da Frente de Esquerda assim como Autoconvocados contra la deuda, Libres del sur, Marabunta, Venceremos, Basta de Falsas Soluciones, Alfredo Cáceres em nome de Suteba Tigre e Hector Heberling pelo Nuevo MAS, entre outros.

Entre os participantes estavam Myriam Bregman, Raúl Godoy, Christian Castillo, Claudio Dellecarbonara, Jorge Medina de Madygraf e Nathalia González Seligra, pelo PTS. Nestor Pitrola e Vanina Viasi participaram pelo Partido Obrero, assim como Liliana Scheloto pela AGD-UBA. Monica Schlotahuer representava Izquierda Socialista como referência sindical da linha ferroviária Sarmiento. Guillermo Pacagnini participou em nome do MST e da CICOP.

A reunião, que aconteceu ao mesmo tempo em que Máximo Kirchner, filho da vice-presidenta Cristina Kirchner, enviou sua carta anunciando que estava renunciando ao cargo de presidente do bloco governista na Câmara dos Deputados.

Como Nicolás del Caño, Deputado Nacional do PTS na Frente de Izquierda, assinalou, não se trata de palavras, mas de ações: "Os sindicatos e organizações sociais que são contra o acordo com o FMI devem colocar toda sua força nas ruas para derrotá-lo".




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias