Política

LAVA JATO

Odebrecht pagou 23 milhões para Serra na Suíça

Guilherme de Almeida Soares

São José dos Campos

sexta-feira 28 de outubro| Edição do dia

De acordo com relatos na grande mídia a empresa Odebrecht, empreiteira investigada pela Operação Lava Jato, foram repassados R$ 23 milhões via caixa dois à campanha presidencial do tucano José Serra em 2010. Este dinheiro teria sido enviado para uma conta da Suíça. O repasse teria sio feito através do ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho, que, naquele período, pertencia ao PSDB.

O ex-deputado Marcio Fontes, próximo Serra, também teria participado da negociação.

Este relato teria sido feito por dois executivos da Odebrecht por conta do acordo de delação premiada feito com a PGR e a força-tarefa da Polícia Federal. Um deles é Pedro, membro do conselho de administração da empreiteira entre 2002 e 2009. O outro seria Carlos Armando Paschoal, diretor da Empresa.

Conforme relatamos neste texto, Pedro Novis numa outra delação tentou omitir o nome do ministro José Serra.

Esta denúncia contra o atual ministro José Serra, mostra que os políticos da ordem utilizam de métodos mais espúrios para conseguir se eleger, ou mesmo sem isso chegar ao poder. Do outro lado, mostra que grande maioria dos atuais políticos da ordem estão envolvidos com a Odebrecht, o que faz com que a empreiteira tenha uma posição muito privilegiada no país. Mostra também que o envolvimento de deputados, senadores, ministros e até ministros com esta empreiteira é reflexo deste regime podre, quanto dessas relações será revelado e quanto não depende do arbítrio da Lava Jato que opera segundo seus interesses políticos e para substituir um esquema de corrupção por outro, agora com o aval do judiciário.

Esta delação que atinge Serra é um sinal de que a Lava Jato, caso queira, pode avançar em um caminho das "mãos limpas", como também um sinal do uso do judiciário dentro da disputa interna dos tucanos pela candidatura em 2018. No caso da "mãos limpas" o judiciário faz uma ameaça de isolar o presidente golpista e enfraquecê-lo caso não cumpra os ataques aos direitos trabalhistas e sociais conforme o prazo e intensidades prometidos.




Tópicos relacionados

PSDB   /    Operação Lava Jato   /    Política

Comentários

Comentar