Sociedade

DIREITO A MORADIA

Ocupação com mais de 6 mil famílias no ABC expõe o problema de falta de moradia no Brasil

A ocupação do MTST (Movimento de Trabalhadores Sem Teto), localizado na cidade de São Bernardo do Campo em terreno de 70 mil m² que pertence à construtora MZM começou sábado dia 2 com cerca de 500 famílias e hoje já toma proporções gigantescas com mais de 6 mil famílias distribuídas em 3.500 barracas evidencia o problema estrutural de habitação não apenas na Região do Grande Abc, mas no Brasil.

quarta-feira 13 de setembro| Edição do dia

A região do abc composta por 7 cidades e tem aproximadamente 2,7 habitantes, com um déficit habitacional de 230 mil e com 26,%(690.540mil) da população vivendo em moradias irregulares onde não tem acessos básicos negados como saneamento básico, agua e energia elétrica. Se pegarmos em base o numero de moradias feitas pelas 7 cidades através de programas de habitação que em média é de 3.132 unidade para solucionar o problema atual seria necessário 73 anos.

Com o agravamento da crise econômica e de reformas das leis trabalhista que precarisa ainda mais o trabalho que já é precário aumentando a carestia de vida. O trabalhador se vê na condição de já não conseguir pagar mais o aluguel que outrora pagava e consequentemente a buscar moradias cada vez mais distantes e mais precárias.

Os dias tem se tornado tenso na ocupação já que o prazo dado pela justiça de 72 horas para desculpar a área não foi cumprido e a policia militar já estuda estratégias de como viabilizar a reintegração de posse, agentes da GCM (Guarda Civil Municipal) também rodeiam a ocupação dificultando a entrada de alimentos e comida na tentativa de desarticular a ocupação através da escassez de recursos básicos.

A região do abc composta por 7 cidades e tem aproximadamente 2,7 habitantes, com um déficit habitacional de 230 mil e com 26,%(690.540mil) da população vivendo em moradias irregulares onde não tem acessos básicos negados como saneamento básico, agua e energia elétrica. Se pegarmos em base o numero de moradias feitas pelas 7 cidades através de programas de habitação que em média é de 3.132 unidade para solucionar o problema atual seria necessário 73 anos.

Com o agravamento da crise econômica e de reformas das leis trabalhista que precarisa ainda mais o trabalho que já é precário aumentando a carestia de vida. O trabalhador se vê na condição de já não conseguir pagar mais o aluguel que outrora pagava e consequentemente a buscar moradias cada vez mais distantes e mais precárias.

Os dias tem se tornado tenso na ocupação já que o prazo dado pela justiça de 72 horas para desculpar a área não foi cumprido e a policia militar já estuda estratégias de como viabilizar a reintegração de posse, agentes da GCM (Guarda Civil Municipal) também rodeiam a ocupação dificultando a entrada de alimentos e comida na tentativa de desarticular a ocupação através da escassez de recursos básicos.

Para a professora Maíra Machado do ABC "Frente a alta do desemprego no país, a retirada de direitos dos trabalhadores e a carestia de vida é urgente que se garanta moradia digna para todos e que mais nenhuma família não tenha onde morar. Os políticos corruptos seguem hoje enchendo seus bolsos de dinheiro enquanto seguem aplicando pacotes de ajustes nas costas dos trabalhadores fazendo-os pagar por uma crise que não lhes pertence. Estes mesmos políticos seguem gozando de sua impunidade, alguns deles foram condenados à prisão domiciliar e seguem "presos" em suas mansões com seus privilégios garantidos, enquanto isso a população sofre sem moradia digna. É necessário um plano de obras públicas sob controle dos trabalhadores, assim como a reforma agrária, onde parta também de expropriar as propriedades destes políticos ladrões e grandes empresários que sujam suas mãos com corrupção provenientes do dinheiro público, e colocá-las a serviço da própria população que hoje carece de moradia. Toda solidariedade à ocupação do MTST de São Bernardo no ABC!"




Tópicos relacionados

MTST   /    Moradia   /    Sociedade   /    ABC paulista

Comentários

Comentar