Educação

REORGANIZAÇÃO ESCOLAR

Ocupação EE Pequeno Cotolengo tem dia repleto de atividades

O segundo dia de ocupação (sábado 21/11) na EE Pequeno Cotolengo começou com reunião entre pais e estudantes. O espaço foi muito importante para esclarecer dúvidas e compartilhar experiências.

segunda-feira 23 de novembro de 2015| Edição do dia

A escola possui várias particularidades quanto ao próprio fechamento e sobretudo quanto as instalações físicas do prédio, quantidade de alunos por sala e uma cultura escolar diferenciada onde pessoas com necessidades especiais e outros estudantes convivem. Ao final do artigo é possível assistir alguns vídeos com depoimentos sobre a situação da escola e do movimento contra o fechamento.

A escola também já ocupou o primeiro lugar na cidade de Cotia durante alguns anos e hoje é a quarta melhor escola de lá, segundo pais de alunos. A lógica perversa do governo Alckmin entra em contradição uma vez que se utiliza dos índices (do Idesp) que estabelece um ranking das escolas através do SARESP e ao mesmo tempo anuncia o fechamento de escolas que possuem bom desempenho segundo os seus próprios critérios. Pelo menos 30 das 94 escolas anunciadas que serão fechadas possuem desempenho superior a média estadual. Para saber mais sobre esse assunto clique aqui.

Ficamos sabendo também que a Diretoria de Ensino de Carapicuiba (que é responsável por Cotia) em diálogo com a direção da escola Cotolengo ressindiu o contrato de aluguel do terreno (que é alugado) sem avisar pais, estudantes e professores - agindo pelas costas da comunidade escolar. Essa situação demonstra de que lado estão tanto a direção da escola quanto a Diretoria de Ensino.

Na parte da tarde ocorreram diversas apresentações culturais organizadas pelo núcleo Clementina de Jesus da Uneafro com apresentações de hip hop em decorrência do dia da Consciência Negra. As apresentações aconteceriam no centro de Cotia mas devido ao mal tempo os organizadores transferiram para a ocupação, o que inclusive possibilitou um diálogo com a educação pública que atende em sua maioria os filhos da classe trabalhadora composta majoritariamente por negros e negras. Coletamos depoimentos de alguns grupos que se apresentaram e eles comentam um pouco sobre o combate ao racismo e às desigualdades sociais, como também os ataques do Governo Alckmin à educação.

É importante também remarcarmos que esses ataques à educação que o PSDB está implementando no estado de São Paulo estão em conssonância com os diversos ataques do governo federal, com Dilma e o PT sendo os principais articuladores. Só esse ano os cortes já chegam à 13 bilhões na pasta da educação nacional.

Por isso, as ocupações e a luta desses estudantes são importantíssimas. Todo apoio e solidariedade ativa é fundamental para vencer. Nós do Esquerda Diário estamos acompanhando e apoiando as lutas dessa juventude que aponta o caminho e apresentamos três propostas para o movimento se fortalecer: negociação só sem o fechamento de escolas e salas; por uma coordenação de representantes das escolas em luta; e é possível ir por mais, por uma educação de qualidade e gratuita! Também fazemos um chamado para que todos os alunos boicotem o SARESP nos dias 23 e 24 de novembro, pois essa prova não mede a educação dos estudantes, é imposta de forma autoritária e estabelece relações de competição entre as escolas que nada tem de frutífero para o campo educacional. Clique aqui e leia nossas propostas na íntegra.




Comentários

Comentar