Gênero e sexualidade

HISTÓRIA DAS MULHERES

O sinuoso caminho da liberdade e os direitos das mulheres

Em um novo aniversário da mobilização pela “Emancipação das mulheres”, uma reflexão sobre as bandeiras de luta vigentes do movimento de mulheres dos anos 70.

Celeste Murillo

Argentina | @rompe_teclas

sábado 27 de agosto| Edição do dia

Em 26 de agosto de 1970, marcharam 20 mil mulheres na cidade de Nova York (EUA) exigindo igualdade. A mobilização foi convocada sob o lema “Emancipação das mulheres” e realizou-se no dia em que completavam 50 anos da aprovação da Décima nona Emenda, que garantiu o direito ao voto às mulheres desse país.

Essas mulheres que mobilizaram-se durante anos para que se reconheça um direito elementar, o sufrágio, sabiam (aprenderam com o cárcere e a repressão) que não conquistariam como resultado do “desenvolvimento e avanço” da democracia. Ao contrário, sua conquista implicou em um questionamento da democracia, como quando as sufragistas denunciaram que “nós mulheres dos Estados Unidos dizemos que os Estados Unidos não é uma democracia”.

A experiência histórica lhes deu razão e demonstrou que a igualdade ante a lei (o direito ao voto, que foi uma das primeiras demandas básicas que exigiram as sufragistas) nada tinha a ver com a igualdade ante a vida. As mulheres, mesmo conquistando o direito ao voto, enfrentavam a discriminação cotidianamente: recebiam (recebem) um salário menor ao de seus companheiros homens, eram depreciadas, sofriam violência e discriminação (uma realidade muito mais dura para as mulheres trabalhadoras, afro-americanas, latinas).

E, apesar de Betty Friedan, o dirigente da coalizão NOW que encabeçou a mobilização, talvez não conhecia (ou conhecia muito pouco) Lênin ou o legado da Revolução Russa, na verdade foi levado à mesma conclusão (que nas palavras de Lênin era: “a igualdade perante a lei não é igualdade perante a vida”).

Durante os 50 anos que separaram as duas mobilizações, sancionou-se a Lei de Igualdade Salarial nos Estados Unidos (1963), e no entanto em 1970 as mulheres levantaram a “Women’s Strike for Equality” (Greve de Mulheres pela Igualdade) para exigir o cumprimento dessa lei. Marcharam porque a igualdade legal não tinha nada a ver com a desigualdade real.

Essa marcha em Nova York se deu em um contexto de agitação social no qual se estendia o questionamento à democracia capitalista, que não tinha muito a oferecer à maioria: radicalizava-se o movimento negro, trabalhadoras e trabalhadores lutavam contra a precarização de suas condições de trabalho. A mobilização foi tão ampla que chegou a votar uma rede de creches e cuidado infantil, vetada mais tarde por Richard Nixon porque inspirava ideias de “criação comunitária” de meninos e meninas, e isso debilitava a família.

As mulheres não se detiveram nessas demandas; exigiram para si o direito ao aborto (que seria conquistado em 1973 na maior parte do país através do Roe vs. Wade), a criação de creches gratuitas, igualdade de direitos para acessar a educação e postos de trabalho... Enfim, igualdade, sem a qual era impossível pensar em liberdade, embora para a liberdade tiveram que recorrer a um caminho mais longo e sinuoso.

O aniversário repetido é um lembrete da constante necessidade da mobilização para garantirmos aqueles direitos conquistados, que em nenhum caso são dádivas de nenhum governo nem Estado.

Hoje, o direito ao aborto está sendo atacado em muitos dos países onde as mulheres conquistaram que fosse legal; aplicam-se restrições e criam-se obstáculos, enquanto sua ilegalidade segue gerando um verdadeiro “feminicídio” para as mulheres de grande parte do mundo (como na Argentina). A violência contra as mulheres cresceu à sombra da ilusão da ampliação de direitos, e sobretudo, a igualdade legal segue sendo a desigualdade real.

Embora muitas das feministas que ergueram o movimento pela emancipação das mulheres nos anos 60 e 70 tenham abandonado o horizonte revolucionário da transformação social, suas bandeiras de luta seguem vigentes, à espera dos braços de novas gerações que queiram levantá-las.




Tópicos relacionados

Mulher   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar