Mundo Operário

ESQUERDA DIÁRIO IMPRESSO

O que está por trás da privatização do Metrô de São Paulo?

Após arquivamento dos inquéritos dos envolvidos com o “trensalão tucano”, Ministério Público (MP) flagrou na última semana 26 trens parados e abriu denúncia contra secretário de Alckmin.

quarta-feira 20 de julho de 2016| Edição do dia

O Ministério Público abriu denúncia de improbidade administrativa (ato ilegal contra os princípios da administração pública) contra o ex e o atual secretário de transportes do Governo Alckmin. Jurandir Fernandes e Clodoaldo Pelissioni, fazem parte de uma lista de 9 pessoas, que também inclui o ex-presidente do Metrô/SP Sergio Avelleda, responsáveis pela compra de 26 trens para a Linha 5 no valor de 615 milhões de reais. Os trens estão parados “há mais de 2 anos”, foram “vandalizados” e todos seus equipamentos “em questão de eletrônica, não vai ter mais utilidade”, disse Marcelo Milani promotor do MP.

Após o arquivamento dos envolvidos do “trensalão tucano”, o esquema de cartel organizado pela alta cúpula do PSDB (Serra/Alckmin/Anibal) com a multinacionais (Alstom/CAF/Siemens), avaliado num prejuízo de 1 bilhão aos cofres públicos, mais um escândalo é aberto evolvendo a empresa comandada pelo Governador Geraldo Alckmin. Justamente na Linha 5, a qual foi anunciada a privatização com a previsão de ter edital aberto em setembro desse ano.

Diferente do discurso de Alckmin, a privatização não é a prática moderna de gerir os serviços públicos, mas sim o recurso utilizado para fazer com que as empreiteiras e multinacionais obtenham lucros exorbitantes com um direito da população, em troca do financiamento das campanhas eleitorais dos partidos e políticos envolvidos nos esquemas. Os metroviários e a população não podem pagar essa conta, é necessário que se abra os livros de contabilidade e o fim ao segredo comercial das empresas com o governo, assim como acabar com o plano desestatização e privatização do Metrô/SP. A única forma de garantir um transporte público e de qualidade é com a estatização sobre controle dos trabalhadores e usuários.




Tópicos relacionados

Metrô   /    São Paulo (capital)   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar