Política

Meirelles na secretaria da fazenda de São Paulo

O porta-voz das reformas Henrique Meirelles vai assumir pasta no governo de João Dória

Nesta ’’onda Bolsonaro’’, onde os grandes empresários e os bancos buscam um representante para poder implementar os brutais ataques contra os trabalhadores e demais setores populares da sociedade, o novo governador de São Paulo, João Dória, já vai montando a sua equipe formada por inúmeros golpistas do governo Temer para fazer em âmbito estadual o que Bolsonaro pretende fazer em âmbito nacional. E para aprofundar as privatizações no Estado de São Paulo, João Dória chamou ninguém menos do que Henrique Meirelles para a secretária da fazenda do Estado.

terça-feira 11 de dezembro de 2018| Edição do dia

Nesta ’’onda Bolsonaro’’, onde os grandes empresários e os bancos buscam um representante para poder implementar os brutais ataques contra os trabalhadores e demais setores populares da sociedade, o novo governador de São Paulo, João Dória, já vai montando a sua equipe formada por inúmeros golpistas do governo Temer para fazer em âmbito estadual o que Bolsonaro pretende fazer em âmbito nacional. E para aprofundar as privatizações no Estado de São Paulo, João Dória chamou ninguém menos do que Henrique Meirelles para a secretária da fazenda do Estado.

Isto mesmo, Henrique Meirlles vai assumir a secretária da fazenda de São Paulo. João Dória que assim como Bolsonaro faz inúmeras demagogia sobre a sua suposta ’’honestidade’’, escolheu seis ministros do governo Temer que estão afundando em inúmeros escândalos de corrupção. O discurso demagógico de João Dória não se abala com isso, pois seu objetivo, longe de fazer um governo "ficha limpa", é descontar nos trabalhadores os custos da crise econômica.

Dória disse em outra ocasião, quando já se planejava para "chamar o Meirelles", que ele seria um verdadeiro "secretário dos sonhos", fazendo alusão à sua amizade e com certeza pensando que o porta-voz das reformas seria capaz de ajudar na missão em que ele e Temer fracassaram: fazer com que trabalhemos até morrer sem direito à aposentadoria.

Verdadeiro defensor das reformas, Meirelles deixa muito claro seu interesse em atacar os trabalhadores por meio de retirar direitos, fazendo com que sejamos nós que paguemos pela crise econômica que assola o país. Ano passado, depois do fracasso da Reforma da Previdência, fruto de uma intensa greve geral no dia 28 de Abril, Meirelles chegou a se colocar a disposição de assumir a equipe econômica, dizendo que queria aprovar as reformas com o sem Temer.

Henrique Meirelles foi presidente do Banco Central durante a gestão do ex - presidente Lula e lançou a sua candidatura á Presidência da República neste ano pelo MDB. Ele não esconde a sua felicidade em continuar servindo aos grandes empresários e banqueiros, como sempre fez. Nas suas palavras de maneira extremamente demagógica no Globo News, ele diz: ’’Eu resolvi assumir a Secretária da Fazenda conjuntamente com a Secretaria de Planejamento e Gestão do estado de São Paulo. Eu tomei esta decisão porque eu já me preparei para continuar prestando serviços à população, trabalhando para a geração de emprego e renda no Brasil. Aceitei esse convite porque é relevante, o estado de São Paulo é relevante na questão nacional. Vamos estar colaborando com outros estados, com treinamento. A minha decisão é de continuar servindo ao país ao invés de voltar para o setor privado’’.

Além de ocupar o cargo do presidente do Banco Central, Meirelles esteve no comando da Fazenda a mando de Michel Temer em 2016 a 2017 e tem um currículo bem vasto de servir aos banqueiros internacional que só tem o único interesse de saquear o país e tirar o máximo de sangue dos trabalhadores. Além disso, foi chairman do banco de investimentos Lazard Americas e senior advisor da gestora global KKR, além de fazer parte dos conselhos de administração de várias instituições e empresas.

Além de Meirelles, o atual ministro do Turismo, Vinicuis Lummertz, será secretário da pasta correspondente no estado. Dória anunciou também o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, para a Secretária dos Transporte Metropolitanos, o atual ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab para a Casa Civil, Sergio Sá Leitão para a Secretária da Cultura e Rossielli Soares para a mesma pasta




Tópicos relacionados

Meirelles   /    João Doria   /    Política

Comentários

Comentar