Sociedade

Saúde e parto

O parto natural, as casas de parto e a defesa do SUS

Gilson Dantas

Brasília

sexta-feira 25 de novembro| Edição do dia

O contexto nacional nos chama a muitas discussões que dizem respeito à maternidade, ao parto e ao direito das mulheres decidirem sobre seu corpo. Em primeiro lugar, o golpe que representou a ascensão de Temer veio carregado de ataques contra os serviços públicos, que atingem os trabalhadores e as mulheres em particular. Mesmo tendo sido "desmentida", a declaração do ministro da Saúde do governo golpista de Temer, Ricardo Barros, dizendo em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo que o governo poderia "repactuar" direitos universais previstos na Constituição, como a saúde, por arrecadar menos do que gasta, já deixa claro a concepção de saúde e de direitos que esse governo tem.

No mesmo sentido, temos visto um crescente no número de casos de violência contra a mulher, ao mesmo tempo que vemos um movimento de mulheres lutando por seus direitos, que ficou em evidência na chamada "Primavera feminista" em 2015. A discussão sobre maternidade e parto se encaixa completamente nesse contexto. Por um lado a violência obstétrica é uma realidade gritante e revoltante em nosso país, da qual se depreende também o pleno direito à maternidade para as mulheres que decidem ser mães, pois essa é uma situação bastante assustadora para muitas mulheres. Por outro lado, essa é uma bandeira considerada muito específica pela maioria do movimento de mulheres e por isso mesmo não é tratada com a devida importância.

Entendemos que tanto na questão do parto quanto no direito ao aborto, nos dois casos se trata de uma decisão e um controle das mulheres sobre seu próprio corpo. Além disso, entendemos essas questões como problemas de saúde pública extremamente necessários de serem debatidos.

Por isso apresentamos abaixo um vídeo que trata sobre a importância da decisão das mulheres sobre seu corpo quando se trata de como parir, contando com uma pequena palestra de Gilson Dantas, médico militante e colaborador do Esquerda Diário. Nosso objetivo é dar uma visão contra a "medicalização" do parto, mostrando o parto natural humanizado e sua importância tanto para a mãe quanto os seus benefícios para o bebê. Nesse contexto de ataques aos nossos direitos elementares, queremos mostrar a importância de lutar pela ampliação e investimento nas Casas de Parto, que estas sejam parte do SUS 100% estatal e controladas por trabalhadores e usuários, ao mesmo tempo em que possuam autonomia necessária para garantir todo o conforto de um parto sem intervenções desnecessárias. Nesse vídeo você poderá também acompanhar uma breve reportagem sobre o parto humanizado e a Casa de Parto de Realengo no Rio de Janeiro, além de um momento de nascimento de um bebê num parto domiciliar. Confira abaixo.

Publicado originalmente em 29 de Outubro de 2016.




Tópicos relacionados

25nov2016   /    Parto   /    Sociedade   /    Violência contra a Mulher   /    Saúde   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar