Gênero e sexualidade

#ABORTOLEGALJÁ

O óvulo fecundado é a vida, mas é esse o debate?

As igrejas católicas e evangélicas, como outros setores conservadores, se opõem à legalização do aborto com a justificativa de que eles defendem a "vida". Para Argumentar nesse sentido, apenas nos últimos 40 anos, falam do "assassinato" e "bebês" para se referir ao que, na realidade, deve ser mencionado como "interrupções voluntárias de gravidez" e "embriões" ou "fetos".

Andrea D’Atri

@andreadatri

sexta-feira 3 de agosto| Edição do dia

Não apenas o zigoto (que é a célula produzida pela fertilização de um óvulo por um espermatozoide e tem a carga genética de um ser humano futuro) é uma das manifestações da vida; Toda célula é porque tem a mesma carga genética que um organismo humano desenvolvido!

No entanto, ninguém diria que, porque eles possuem o genoma humano completo, um óvulo que não é fertilizado, um espermatozoide ou outra célula de qualquer órgão do corpo, são um ser humano. O mesmo poderia ser dito sobre os óvulos fertilizados, a maioria dos quais se abortam espontaneamente, antes de desenvolver seu estágio embrionário.

O debate deve enfocar, então, o que entendemos por "vida humana".

Imagem microscópica do ovário

Avanços científicos a serviço da vida humana

De acordo com o atual desenvolvimento científico, pode-se verificar que entre a primeira e a sétima semana de gestação, a placenta e o líquido amniótico começam a ser criados. O processo de divisão celular começa, atingindo um tamanho entre 0,1 e 2 milímetros. A partir da semana 11, as reações aos estímulos sensoriais começam a ser apreciadas, mas não há percepção consciente, pois ainda não existem as conexões nervosas, a medula espinhal, os neurônios no cérebro ou no córtex cerebral, algo fundamental para ser considerado um ser humano. Apenas entre as semanas 28 a 30, há respostas sensoriais e a primeira atividade cerebral elétrica é registrada. O feto pode medir entre 35 e 37 centímetros. Somente nessa última etapa, o feto pode atingir a autonomia fisiológica que o permite não depender da contribuição nutricional e hormonal da gestante.

Em todo o mundo, uma pessoa é declarada morta quando se prova que perdeu total e irreversivelmente suas funções cerebrais, mesmo que seu coração e sua atividade respiratória sejam artificialmente mantidos.

A Igreja Católica não se opõe a essa definição proporcionada pelos avanços científicos, que também permitem estabelecer o momento em que a vida humana expira e os órgãos dessa pessoa falecida podem ser eliminados para o prolongamento da vida de outro ser humano. Se estabelecermos que a vida humana cessa com inatividade cerebral, então é compreensível que estabeleçamos que ela começa quando esta atividade começa.

Imagem microscópica do epidídimo, onde os espermatozoides amadurecem e são armazenados.

A Igreja não é a favor da vida, mas contra os direitos das mulheres

Os dogmas religiosos não são condicionados pela realidade ou por explicações científicas; mas na Argentina há liberdade de culto, isto é, que cada um pode professar a fé que deseja. Por essa razão, interromper voluntariamente a gravidez ou não, deve ser uma decisão absolutamente autônoma da gestante. Exigimos a legalização do aborto e isso, de modo algum, afeta à decisão e as crenças daqueles que se opõem à interrupção de suas próprias gravidezes, sob qualquer circunstância, por motivos religiosos.

A Igreja Católica se opôs ao direito ao divórcio com base em sua concepção de casamento e família; no entanto, o divórcio foi legalizado e isso não impediu que os casamentos católicos continuassem a considerar que "o homem não pode separar o que Deus uniu". A Igreja também se opunha ao direito ao casamento igual; no entanto, foi legalizado e isso não impede que gays e lésbicas crentes "vivam em castidade", como recomenda o dogma.

A maioria dos abortos é causada porque não se quer ou não pode desenvolver essa gravidez quando, por várias razões, não havia possibilidade de evitar a fertilização. Não deveria a Igreja que se opõe ao direito ao aborto ser favorável à implementação da mais ampla educação sexual em todos os níveis de ensino e, além disso, garantir acesso irrestrito a todos os métodos contraceptivos existentes? No entanto, a Igreja também se opõe aos direitos das meninas, meninos e adolescentes à educação sexual abrangente e aos direitos sexuais e reprodutivos, incluindo o uso de contraceptivos.

Nós defendemos nossas vidas e nossos projetos de vida

Nenhum dos direitos que conquistamos impede aqueles que o desejam, possam continuar vivendo de acordo com seus preceitos religiosos. Mas a Igreja tenta impor-se sobre a vida e a decisão de todas e de todos. Apesar de suas reações fundamentalistas furiosas, continuaremos a lutar por nossos direitos.

É por isso que denunciamos o lobby da Igreja nos corredores do Congresso, para impedir que o direito ao aborto seja aprovado. Portanto, junto com o respeito pelas crenças individuais de cada pessoa, exigimos a separação da Igreja do Estado e a revogação de todos os decretos da ditadura militar, ainda em vigor, que concedem grandes salários aos bispos, bolsas de estudos para seminaristas e outros benefícios econômicas para o culto católico.

Continuaremos nos mobilizando para aprovar o projeto da Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto. Pelo nosso direito de decidir, porque não queremos mais jovens pobres mortas por consequência de abortos clandestinos.




Tópicos relacionados

8A   /    Legalização do Aborto   /    Educação Sexual   /    Aborto   /    Igreja Católica   /    Direito ao aborto   /    Gênero e sexualidade   /    Internacional

Comentários

Comentar