Economia

OPINIÕES DE ESPECIALISTAS

O efeito Bolsonaro na economia argetina

Após as eleições mais manipuladas de sua história, o Brasil tem um novo presidente. Guedes quem ocupará o Ministério da Fazenda afirmou que o Mercosul não é sua prioridade. Entenda as repercussões para nossa vizinha Argentina e o restante do Mercosul.

terça-feira 30 de outubro| Edição do dia

Jais Bolsonaro será o novo presidente do Brasil depois das eleições mais manipuladas da história.

Paulo Guedes, que será o ministro da Fazenda do novo governo, um "Chicago boy" (ortodoxo), em suas primeiras declarações à imprensa sustentou que o Mercosul não é sua prioridade, que é muito restritivo e que negociará não só com os países do bloco, mas também com o resto do mundo.

Suas declarações inflamaram os alarmes. O Brasil é o principal parceiro comercial da Argentina, o principal destino das exportações nacionais, especialmente as exportações industriais. Por essa razão, mudanças e novas medidas econômicas terão impacto na economia local.

No entanto, os especialistas dizem que ainda há incerteza sobre o curso econômico tomado por Bolsonaro. O eixo do novo presidente se concentrará na reforma previdenciária, num corte acentuado do déficit fiscal (mais ajustes), na reforma tributária e nas possíveis privatizações de empresas estatais.

Comércio bilateral

Segundo dados da Indec, as exportações da Argentina para o país vizinho atingiram US $ 933 milhões em setembro e as importações, US $ 962 milhões. O saldo comercial foi deficitário em US $ 29 milhões.

O intercâmbio com o Mercosul mostrou, em setembro, saldo positivo de US $ 88 milhões. 78,9% das exportações para o bloco foram destinadas ao Brasil. Segundo a consultoria Abeceb, no acumulado de 2018, registra-se um vermelho comercial de US $ 4.252 milhões.

Por sua vez, o Mercosul, como bloco em julho, teve um saldo negativo de US $ 1.411 milhões. Comercializou seus produtos principalmente com a China, Estados Unidos, Holanda, Chile e Alemanha, e o que mais se vende foi soja, pellets da extração de soja, polpa química, petróleo bruto, minério de ferro, farinha e carne bovina.

O acordo do Mercosul implica o livre comércio sem tarifas entre os países membros e uma tarifa mais alta entre terceiros.

Nas declarações de Guedes, Nelson Illescas, advogado da Fundação INAI, explicou ao jornal La Nación que é preciso ter em mente que uma modificação no Tratado de Assunção - a pedra basal do Bloco - precisa do consenso dos países membros, e que mesmo uma eventual saída do Mercosul exige a aprovação do Congresso do Brasil e um período de dois anos em que as regras do bloco permanecem em vigor.

O Mercosul estava em negociações para chegar a um acordo com a União Européia, que tinha vários obstáculos devido às maiores demandas do bloco europeu. Teremos que ver se eles vão avançar ou se Bolsonaro pressiona para "recalcular".

Os principais beneficiários deste tratado eram as empresas da UE, que teriam melhores condições em suas exportações para o Mercosul.

O que opina os especialistas?

Martin Alfie, um economista consultoria Radar, disse ao diário Âmbito que "o triunfo do Bolsonaro gera muita incerteza, porque não está claro qual será sua política económica em geral e sua relação com o Mercosul em particular", acrescentando que " seus assessores e o mesmo expressaram posições liberais e aperturistas, tem que esperar a conformação do gabinete. Em linhas gerais, creio que vai trazer muitas incertezas em matéria financeira - embora, por enquanto, foi bem recebido pelos mercados- e que vai afetar a Argentina."

O Chefe do Radar explicou que "se realmente decidir deixar o Mercosul e assinar acordos de livre comércio bilateral, afetaria grande parte do tecido produtivo argentino. A Argentina necessita de um Mercosul forte, integrada e que saia para competir no mundo como um todo. Que o Brasil não é uma locomotiva regional e não joga em conjunto com a Argentina é uma péssima notícia para as perspectivas de desenvolvimento de nosso país ".

Marcelo Elizondo, consultor de economia, disse ao jornal La Nación que o Brasil buscará adotar uma posição mais autônoma para se estabelecer como uma das dez principais economias mundiais e acrescentou que o país vizinho "quer deixar de se apresentar como economia regional sul-americana. Quer negociar com países como os Estados Unidos, Japão, Coréia e Europa, por exemplo. Não sei o que aconteceria com a China ".

Enquanto isso, Marcelo Alejandro Busquets, consultor de mercados agrícolas, disse à mesma mídia que "ainda não há um forte pronunciamento do Mercosul por parte de Bolsonaro, além de uma expressão altíssima, pois ao nomear o economista Paulo Guedes como ministro da Fazenda tudo indica que será muito ortodoxo na hora de relacionar-se com os mercados ".

Lorenzo Sigaut Gravina, economista da consultoria Ecolatina, disse que "este não é o fim do Mercosul" e acrescentou que "ainda é muito cedo, mas as declarações de Paulo Guedes geraram muita incerteza. O Brasil busca fazer uma abertura ao mundo muito mais forte do que é hoje, mas já estabeleceu acordos e o principal é o Mercosul. É claro que o Mercosul não terá o apoio explícito do Brasil, mas nós vamos ter que ver o quanto se move ".

Mauricio Macri foi um dos primeiros presidentes regionais que saudou Bolsonaro entusiasticamente pelo seu triunfo. As decisões sobre o Mercosul e se as declarações de Guedes no bloco forem cumpridas podem apagar o sorriso do presidente local.




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Mauricio Macri   /    mercosul   /    Economia   /    Internacional

Comentários

Comentar