Internacional

GREVE GERAL NA FRANÇA

O dia 5 de dezembro e as mobilizações em todo o mundo

A mobilização na França se insere em um contexto internacional marcado por contestações populares que colocam em questionamento as desigualdades e a exploração. Razões mais do que suficientes para preocupar os capitalistas franceses.

quinta-feira 5 de dezembro de 2019| Edição do dia

Há alguns dias, a imprensa nacional [francesa] evidencia a preocupação do governo francês em relação à greve que se inicia hoje. As diversas tentativas de Macron [presidente da França] e seus ministros de limpar o terreno se mostraram um verdadeiro fracasso. O mesmo pode ser dito das tentativas de dividir a opinião pública apresentando o movimento de greve como uma luta “corporativista”.

Na verdade, a insatisfação por parte dos trabalhadores, da juventude precarizada, das classes populares frente às suas condições de vida, às desigualdades, mas também à degradação de direitos democráticos elementares é tão forte que o ódio destilado pelo governo e pelos periodistas acabou por cumprir a função de alimentar ainda mais essa radicalidade.

Assim, o governo e as patronais se preparam para um conflito social de grande magnitude, forte e massivo, mas que eles esperam que não se prolongará para além do final de semana. Mesmo assim, o nervosismo é palpável. A França experimentou no último ano a expressão de uma ampla crise social com [a mobilização] dos Coletes Amarelos, que questionam o caráter rotineiro e adaptado ao regime de exploração capitalista francês.

Este movimento deixou vestígios na vida política e social do país e começamos a detectar sintomas de “coleteamarelização” no centro das organizações operárias. Este é um elemento muito preocupante para o governo e, principalmente, para as patronais. É o que fica bastante claro no último editorial do jornal [burguês] Les Echos: “Enfim, é inadmissível, e talvez o mais grave em relação ao que pode vir futuramente, ver as organizações sindicais perdendo força e arriscando a se envolver em um conflito social no qual ninguém sabe de fato até que ponto conduzirá seus atores. Não é um mistério pra ninguém (...) que as organizações em questão já perderam o controle de suas bases para alguns setores ultra-radicalizados”.

No entanto, seria impreciso pensar que esse nervosismo da parte das classes dominantes francesas e de seu governo seja uma resposta apenas a fatores nacionais. Há vários meses e especialmente neste segundo semestre, em diferentes países em várias regiões do mundo, mobilizações populares abalaram ou estão abalando governos e regimes.

Essas mobilizações são desencadeadas algumas vezes como resultado de medidas parciais, como o aumento do preço da gasolina ou do ticket de metrô como no Equador e no Chile; como resultado da imposição de um imposto injusto como no Líbano; como em decorrência de medidas de austeridade (Colômbia). Às vezes, a contestação foi provocada por decisões políticas antipopulares, como na Argélia e no quinto mandato, sentenças de prisão contra líderes políticos como no processo de independência da Catalunha, a lei sobre a extradição de presos políticos em Hong Kong, a resistência contra o golpe de Estado na Bolívia ou ainda as declarações homofóbicas de um político odiado como em Porto Rico. Também podemos mencionar as mobilizações da juventude precarizada contra o desemprego e a pobreza, como no Iraque e, em certa medida, no Irã.

Todos esses processos de lutas populares têm pelo menos um ponto em comum: o gatilho é rapidamente "esquecido" e os manifestantes começam a questionar todo o conjunto do regime, "do sistema". É essa dinâmica que assusta Macron, mas também os vários governos que enfrentam o risco da explosão de descontentamento popular. Para dar apenas mais um exemplo, na semana passada o Financial Times noticiou como o governo Bolsonaro no Brasil decidiu adiar um conjunto de medidas anti-sociais por medo de ver um movimento como estes que se explodiram na região se desenvolver no Brasil.

Nesse contexto, fica claro que o movimento de greve na França a partir de hoje, 5 de dezembro, não está sozinho e pode se tornar uma nova frente da luta de classes em nível internacional. Este contexto internacional certamente influencia na determinação de trabalhadores, jovens, mulheres, ativistas ambientais que entrarão em greve e se manifestaram hoje e nos dias seguintes.

As lutas em regiões tão diversas (com contradições significativas) criam um contexto de legitimação da luta dos trabalhadores e popular. Ao mesmo tempo, a mobilização na França por sua parte serve para dar mais força às lutas em andamento em todo o mundo; não apenas porque a França é um dos países imperialistas mais importantes do mundo, mas também porque sempre foi palco de importantes lutas e mobilizações que inspiraram outros povos ao redor do mundo.

No entanto, existe uma diferença muito importante entre a mobilização na França e as outras que estão ocorrendo atualmente, mesmo nos processos mais avançados e profundos como o do Chile: enquanto em todos esses países os movimentos assumiram um caráter essencialmente "cidadão", onde os trabalhadores intervêm diluídos na massa e não organizados como força social, na França o movimento coloca no centro a ação da classe trabalhadora, especialmente alguns de seus principais bastiões de organização, como a SNCF [Sociedade Nacional Ferroviária Francesa, uma das principais empresas estatais da França, responsável pela exploração comercial dos serviços de transporte ferroviário tanto de passageiros quanto de mercadorias] e a RATP [Empresa pública autônoma dos Transportes Parisienses, responsável por todos os transportes públicos de Paris e arredores], com os métodos próprios e tradicionais da classe trabalhadora, a greve. Esses métodos e a centralidade da ação dos trabalhadores, em um contexto de luta de classes internacional e uma tendência à "coleteamarelização", são uma combinação muito perturbadora para a burguesia, mas muito encorajadora para os trabalhadores, os jovens e as classes populares na França e no mundo.

Nesse sentido, se o movimento de greve conseguir se prolongar para mais dias e conquistar outros setores do setor público e privado na França, assumindo um caráter de uma greve geral política contra a política de Macron, isso poderá se tornar um elemento central da situação mundial e inspirar outros trabalhadores em todo o mundo, começando por aqueles que já estão mobilizados agora, mas diluídos em movimentos “cidadãos”.

Esse elemento é central porque a classe trabalhadora continua sendo o sujeito social capaz de não apenas unificar os vários setores explorados e oprimidos da sociedade, mas também de atingir os capitalistas no ponto onde podem de fato serem profundamente abalados, e criar as bases para colocar todo o sistema em questionamento. Essa é uma das fontes de preocupação das classes dominantes na França frente ao movimento que começa hoje. Depende de nós fazer com que seus pesadelos se tornem realidade.




Tópicos relacionados

Greve Geral na França   /    Coletes Amarelos   /    Emmanuel Macron   /    Greve Geral   /    Ferroviários   /    Internacionalismo   /    Greve   /    Internacional

Comentários

Comentar