SEMANÁRIO

O coronavírus será o gatilho para uma nova recessão global?

Esteban Mercatante, colunista do La Izquierda Diario

O coronavírus será o gatilho para uma nova recessão global?

Esteban Mercatante, colunista do La Izquierda Diario

O medo de uma pandemia com grave impacto econômico produziu nessa semana quedas nas bolsas em todo o mundo.

As bolsas fecharam por uma semana para o estarrecimento em todo o mundo. Em Wall Street, o Dow Jones acumulou perdas de 12% em 5 dias, uma das piores desde a crise de 2008. O FTSE de Londres caiu 13%. O Ibex35 do mercado de ações espanhol caiu mais de 10% em cinco dias, assim como o DAX30 na Alemanha. O resto dos países acompanhou em maior ou menor medida. O motivo não é segredo: as quedas foram causadas pelos temores do impacto do coronavírus (COVID-19) na economia mundial e no lucro das principais empresas. Na China, as reversões dos painéis de cotação foram mais moderadas, da ordem de 5 a 7%, o que pode ser um resultado curioso. Mas isso porque desde meados de janeiro que as bolsas chinesas estão sendo castigadas. Talvez a única surpresa do pânico desses dias seja que tenha demorado tanto tempo, considerando que faz mais de um mês o alarme do vírus chegou às primeiras páginas da mídia em todo o mundo.

Na China continental – onde o vírus se originou no final do ano passado – aumentou o número total de casos registrados para mais de 79.000, com quase 2.800 mortes. Mais quatro países anunciaram seus primeiros casos atualmente: já existem 55 países e territórios fora da China com infecções, com mais de 4.350 casos, e 67 mortes. Hoje, três quartos das novas infecções ocorrem fora da China. É por isso que na sexta-feira a OMS informou que a ameaça para o COVID-19 aumentou para "muito alta".

China paralisada

A primeira pergunta para medir o impacto econômico que a emergência sanitária terá é o que acontecerá com a economia chinesa. Desde o final de janeiro, medidas para limitar a propagação do vírus reduziram drasticamente a atividade. “Os trabalhadores estão presos em suas cidades natais. Os funcionários públicos querem planos de saúde detalhados antes que as fábricas ou escritórios possam reabrir. As linhas de montagem que fabricam carros da General Motors e iPhones da Apple permanecem silenciosas ”, disse Keith Baker em uma nota publicada no The New York Times. "É como a Europa nos tempos medievais", é a frase de um entrevistado que dá o título à nota: "cada cidade tem suas fiscalizações e fiscalizações cruzadas".

O antecedente imediato usado para avaliar os impactos que poderia ter na economia chinesa é lembrar o que aconteceu há 17 anos com o surto de SARS (sigla para síndrome respiratória aguda e grave) no início de 2003. Diferentemente disso, o vírus atual mostra uma taxa de expansão mais rápida, embora uma taxa de mortalidade menor; isto é, essas comparações devem ser feitas com cuidado.

Em 2003, o PIB da China reduziu seu crescimento, que mesmo assim encerrou o ano em 10%. O impacto do surto concentrou-se no segundo trimestre do ano, em que o crescimento econômico caiu dois pontos percentuais, sendo 9,1% em comparação com 11,1% no primeiro trimestre. Ou seja, a economia não parou de crescer, mas cresceu em um ritmo lento. No terceiro trimestre (quando o SARS não era mais considerado uma ameaça), o PIB da China havia recuperado sua expansão, ajudado por programas de estímulo fiscal e monetário.

Para este ano, as projeções iniciais de crescimento do PIB estavam longe das taxas astronômicas de 2003, embora superem em muito as da maioria das economias: 6% foi o aumento esperado em 2020. No cenário mais otimista que o COVID-19 repete o padrão SARS, as projeções de diferentes bancos e agências projetam uma perda de crescimento de 0,5 pontos, ou seja, um crescimento de cerca de 5,5% em 2020. Isso poderia ser alcançado se o crescimento do primeiro trimestre for nulo, mas não negativo. O economista chinês Zhang Anyuan, do CFC Financial, elaborou uma hipótese nos últimos dias de como atingir esse nível: “supondo que durante janeiro e março o país consiga atingir as metas usuais de 6% de crescimento [em cada mês], enquanto a economia se contrai 12% em fevereiro, durante os três meses combinados, o crescimento no primeiro trimestre será de 0%”. Mas ele alertou imediatamente que “a julgar por uma série de indicadores de alta frequência, como taxa de operação, consumo de carvão em usinas, transporte de passageiros, desempenho de contêineres, índice de congestionamento urbano e vendas de automóveis, a contração de fevereiro excedeu claramente esse nível” de 12%.

Se o efeito do vírus se expandir com o tempo, mais de um ponto percentual do crescimento esperado poderá ser cobrado, colocando-o entre 4 e 5% para 2020. Parece ser um impacto moderado, mas preocupa a burocracia do Partido Comunista Chinês (PCC), pois pode gerar dificuldades e aumentar descontentamentos potencialmente desestabilizadores. Pior ainda, eles vêm de um fim de 2019 abalado pelas mobilizações em Hong Kong. É por isso que o governo anunciou medidas de expansão fiscal e monetária para combater os estragos. É o mesmo que foi feito nas últimas décadas diante de qualquer ameaça local ou externa que possa afetar o desempenho econômico.

Comércio mundial infectado

Uma diferença central com o episódio da SARS é que, atualmente, o peso da China na economia global é mais de quatro vezes o peso da época (passou de 4% do PIB global em 2003 para 17% hoje). Mas também se transformou em um epicentro do comércio mundial. Em 2003, as importações e exportações da China representavam 5,78% do comércio internacional, hoje atingem 13%, excedendo em muito outras potências como os EUA (8,57%) ou Alemanha (8%).

Durante semanas, o trânsito de mercadorias para e da China foi reduzido para níveis insignificantes. Isso não apenas atinge as economias de outros países pela interrupção das exportações para a China e pela comercialização de produtos finais importados daquele país. O impacto é multiplicado pelo papel dos fabricantes baseados nesse país como fornecedores das cadeias de valor globais. Da produção automotiva nos EUA e no México, para a montagem de notebooks e telefones na Terra do Fogo, existem inúmeras fábricas que já estão desacelerando e podem ficar completamente paralisadas nas próximas semanas.

De acordo com a Cargo Metrics, as importações da China estão em "queda livre". Entre 7 e 17 de fevereiro (último dia com dados disponíveis), o índice comercial caiu 27%. Uma queda formidável em tão pouco tempo. O declínio é mais atenuado no lado das exportações, mas também é "feio", segundo o CEO da empresa, Scott Borgerson. Durante a maior parte do mês, contêineres retidos foram empilhados nos portos. Somente no final de fevereiro eles começaram a descongestionar um pouco.

O PIB mundial "não crescerá trimestralmente pela primeira vez desde 2009", prevê Simon Macadam em relatório da consultoria Capital Economics. "A propagação custará à economia mundial mais de US$ 280 bilhões nos três primeiros meses do ano, colocando fim a um período de crescimento global de 43 trimestres", estima o documento. Os custos estimados da SARS foram de US$ 40 bilhões.

O impacto já é sentido no preço de algumas commodities, começando com o petróleo. A soja, que esses dias aqueceu as relações entre o governo de Alberto Fernández e os empregadores da agroindústria por causa da ameaça de um aumento nas retenções que ainda não se concretizou, ainda não teve impacto.

Um mundo muito mais precário do que em 2003

Mas há um ponto em que deveria se tomar muito cuidado ao fazer comparações entre hoje e 2003. Isto porque, em 2003, a economia global estava em recuperação, pressionada pela China que acabara de entrar na OMC e se tornado um destino cada vez mais apetitoso para investimentos globais, mas também para a bolha imobiliária nos EUA replicada também em vários países europeus.

Agora, por outro lado, a economia vem de um período de crescimento de 10 anos, após a Grande Recessão. A recuperação que se seguiu àquela crise, a mais devastadora que atingiu a economia mundial desde a Grande Depressão da década de 1930, foi notavelmente fraca. A tal ponto que abriu um grande debate entre economistas mainstream dos EUA se a economia estava em um estado de "estancamento secular".

A razão para esse desempenho é simplesmente que o investimento na expansão da capacidade produtiva feita pelos capitalistas, que é o determinante fundamental do crescimento econômico em uma economia capitalista, foi marcadamente fraco apesar da recuperação econômica. Esta reanimação esteve centralmente impulsionada pelo crescimento da China e por um grande ativismo dos bancos centrais que injetaram dinheiro em larga escala na economia.

Nos EUA, país em que alguns analistas locais um pouco febris nos últimos anos, viram um salto avassalador de investimentos, vem ocorrendo exatamente o contrário. Apesar dos cortes de impostos conduzidos por Trump para empresas que repatriam capital, isso não se traduziu tanto em uma recuperação do investimento produtivo, mas em vez disso, os fundos repatriados foram direcionados para a compra de ações e a distribuição de dividendos. Nos últimos três trimestres, o investimento bruto nos EUA está em declínio, e o PIB apresentou o menor crescimento em 2019 desde que o magnata do setor imobiliário assumiu a presidência: 2,1%.

Desde 2018, vários prognósticos começaram a falar sobre uma possível recessão, em 2020 ou 2021, embora o arco esteja ocorrendo mais tarde. O Federal Reserve norte-americano (seu banco central) opera desde o ano passado para estender a vida do ciclo atual o máximo possível, assim como seus pares na Europa, Japão, China e outros países.

A verdade é que, segundo o Banco Mundial, a economia mundial cresceu 2,4% em 2019, e apenas um décimo a mais era esperado para este ano, de acordo com as projeções divulgadas em janeiro. Agora elas estão sendo corrigidos para baixo.

Se em 2003, fazia alguns anos que se tinha estourado a bolha das empresas "ponto com" e uma nova estava começando a ser desenvolvida através do boom imobiliário, hoje chegamos a vários anos de aumento sem freio das bolsas alimentadas pela gigantesca expansão monetária que teve lugar durante os anos que se seguiram à Grande Recessão e ainda segue estimulada pelas baixas taxas de juros (e nos EUA pelos cortes de impostos de Trump que mencionamos). Depois que uma alta da bolsa continuou por 10 anos, cortada em várias ocasiões como aconteceu na semana passada, ou mesmo atravessada por anos "ruins" como 2018, os valores das ações se dissociaram completamente da capacidade de gerar lucros para as empresas. Em casos extremos, como a Tesla: supera a Volskswagen na avaliação de ações, apesar do fato de que a empresa de Elon Musk nunca deu lucros e que a empresa alemã produz e vende 28 vezes mais carros por ano. Essa é uma das amostras mais extremas da "exuberância irracional" que caracteriza a avaliação do mercado de ações, mas de maneira alguma é um caso isolado. Quanto mais altos os valores e mais distantes dos "fundamentos", maiores as chances de um evento inesperado produzir uma destruição de valor em larga escala, com forte impacto na atividade econômica.

Mas há outra rachadura, que nos remete a outra consequência duradoura da Grande Recessão: trata-se do forte crescimento do endividamento global. O Banco Mundial alerta em um informe recente que a “onda de dívida global” gerada desde 2010 é a maior e de maior crescimento nos últimos 50 anos. Em nível mundial, a dívida subiu para o equivalente a 230% da economia global. Nos países "emergentes", as dívidas (do setor público e privado) chegam a US$ 55 trilhões, o equivalente a 168% do seu PIB. No caso da China, a dívida atinge 255% do PIB.

Não deveria nos surpreender que o COVID-19, ao contrário da SARS, se trasnsforme em um "cisne negro" que acerte em cheio a linha de flutuação de uma economia bastante comprometida, acelerando a recessão.

Argentina: uma reestruturação na contramão

Sob essas condições de incerteza, o governo argentino finaliza os detalhes da reestruturação da dívida, que busca concluir antes de entrar em default. A grande questão é se existe um valor presente (combinando período de carência, extensão de prazos e retirada de juros e capital) que possa agradar os credores e, ao mesmo tempo, satisfazer a expectativa do governo, o que não outra coisa senão fazer um ajuste "gradualista". Adornado, este sim, com colocações de "solidariedade". Ou seja, algo muito distante das promessas feitas em 2019 de "recuperar o que foi perdido" ou "pôr a economia em marcha" por meio de gastos públicos com medidas "keynesianas".

Se a deterioração do mercado de ações nos dias de hoje continuar, pode-se esperar uma "fuga para a qualidade" dos investidores financeiros, que sempre que houver incerteza, eles se refugiam nos ativos considerados mais seguros, que são os títulos do tesouro dos EUA, em primeiro lugar. A contrapartida é que eles se livram dos ativos mais "tóxicos". Os títulos argentinos, à beira da inadimplência, se enquadram nessa categoria. Uma aceleração da crise poderia acelerar sua passagem pelas mãos dos fundos dos abutres, que, diferentemente dos lobos vorazes de Wall Street, que hoje possuem grande parte da dívida argentina emitida sob a legislação estrangeira, preferem o default e ir para a justiça. Se isso acontecer, a capacidade de negociação do governo seria seriamente prejudicada.

Mas, mesmo que não haja mudança nas mãos dos títulos, a maior incerteza pode tornar os atuais detentores mais reticentes em iniciar uma negociação com o país. Os rendimentos que os títulos possam dar, mesmo com as quitações que o ministro Martin Guzman poderia colocar, serão muito maiores do que os oferecidos pela dívida soberana emitida por quase qualquer outro país. Se o Fed e outros bancos centrais intervirem agressivamente para acalmar as águas mundialmente e abaixarem as taxas (algo que ninguém prevê por enquanto), esses rendimentos contrastarão ainda mais com a média internacional. Mesmo assim, seria arriscado esperar que “a ganância ganhe do medo” e que exista um “número mágico” que contemple as aspirações do governo e as reivindicações dos detentores de títulos, e tudo isso nos poucos meses que restam para que o país não consiga continuar pagando vencimentos da dívida em dólares. Dessa forma, o default indesejado, já que Alberto Fernández manifestou que busca acima de tudo ser "responsável" e "respeitoso" com as dívidas odiosas deixadas por Macri, começa a ser uma alternativa mais real a cada dia. E ameaça ocorrer, como em 2001, da maneira mais caótica e aventureira, ampliando o impacto econômico nos setores da classe trabalhadora e nas pessoas pobres mais vulneráveis. De nenhuma maneira essas são as únicas alternativas, como afirmam aqueles que desejam justificar como inexorável a entrega aos credores.

O projeto de Alberto Fernández de administrar o ajuste buscando torná-lo "tolerável", renegociando para isso os termos de pilhagem com credores e com o imperialismo, pode resultar em algo intempestivo. Os “tempos interessantes” que, como uma maldição chinesa, mantêm a situação internacional, não são a favor de reeditar a experiência kirchnerista de 2003, que teve a seu favor naquele momento não apenas o trabalho sujo feito por Duhalde, mas o “vento de cauda” do Crescimento global e altos preços de matérias-primas.
Ameaças de recessão, "guerras comerciais" e crescentes disputas geopolíticas, juntamente com um novo salto na luta de classes em todo o mundo, marcam a tônica do momento atual.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Coronavírus]   /   [Crise capitalista]   /   [China]   /   [Economia]   /   [Internacional]

Esteban Mercatante, colunista do La Izquierda Diario

Comentários