Sociedade

CARNAVAL 2018

O Globo tenta minimizar resultado do Carnaval mas não apaga revolta social

quinta-feira 15 de fevereiro| Edição do dia

Ignorando propositalmente o espirito crítico que o carnaval 2018 trouxe à tona neste ano e minimizando as escolas de samba campeãs do carnaval do Rio, o Jornal O Globo faz críticas desmedidas sobre as escolas campeãs. O jornal defende que as escolas vencedoras deveriam ser as mais luxuosas e não leva em consideração a criatividade e a postura de enfrentamento das escolas com o sistema politico que vivemos, lamentavelmente esse jornal elitista não consegue ver que neste carnaval o que brilhou não foram só a plumas e paetês, foram as ideias que iluminaram a Sapucaí e levaram o povo a vibrar.

A Sapucaí, foi marcada por desfiles que levaram críticas políticas que expressavam o sentimento popular de revolta. O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella cortou em 50% o orçamento que é destinado as escolas de samba, lembrando que carnaval do Rio de Janeiro, atraí turistas do mundo inteiro e é um dos períodos em que o estado mais arrecada impostos.

Com o corte de verbas as escolas tiveram que usar ainda mais a criatividade, a mangueira levou para o sambódromo o enredo "com dinheiro ou sem dinheiro, a gente brinca", fazendo uma crítica direta aos corte de Crivella, o prefeito evangélico acha que pular carnaval é pecado. Mas, a grande revelação foi a escola Paraíso do Tuiuti, que levou para a avenida um desfile que deixou a arquibancada boquiaberta com o enredo "Meu Deus, Meu Deus, está extinta a escravidão?". A escola historicizou a escravidão no Brasil e no mundo, questionando se a escravidão de fato acabou, ligou o conceito com os dias de hoje, com carros alegóricos e alas que escancaram o momento político em que vivemos. Em um dos carros alegóricos tinha um operário que cumpria varias funções e ao mesmo tempo segurava a carteira de trabalho denunciando a Reforma Trabalhista, o trabalho intermitente e o retrocesso da CLT( Consolidação das Leis Trabalhistas). Uma das alas, manifestoches, levaram os patos da FIESP sendo manipulados por uma mão que os carregava, fazendo uma clara alusão contra o golpe de 2016 que tirou a Dilma da presidência e colocou o Vampirão do Temer, que no último carro alegórico foi bem representado com uma fantasia que teve muito destaque e que esta viralisado nas redes sócias.

Outras escolas também levaram várias críticas sociais e políticas que foram muito bem recebidas pelo público com enredos que tá na boca do povo. A Beija-flor fez uma denuncia contra a corrupção, com ratos e prisões, mostrando que a corrupção leva a violência e desigualdade. Fizeram um belo desfile com um enredo lindo que contagiou a arquibancada. Mas foi a Tuiuti esse ano que não foi a primeira colocada pelos jurados, mas ficou conhecida como a "campeã para o povo brasileiro" porque atacou pela raiz as mazelas da sociedade que vivemos denunciando a desigualdade social. É a campeã porque colocou na avenida o sentimento real do povo que não suporta mais ter seus direitos atacados por um governo golpista, porque tirou onda com a ala dos manifestoches, com uma denuncia clara de que o golpe foi orquestrado pela alta burguesia que estava por trás das manifestações somados é claro ao grande apoio da Rede Globo, a emissora que na hora do desfile os comentarista se calaram de tal forma que é claro que a carapuça estava servindo. Mas, as vezes abriam a boca para fazer comentários descontextualizados, aquela vergonha alheia sendo explicita em rede nacional.

O Jornal o Globo, fez artigo criticando as escolas vencedoras pelo pouco luxo que levaram pra avenida, estão acostumados que as vencedores são as que mais ostentam na avenida, esse ano foi diferente. Vivemos um momento político, social e econômico que impulsiona a população a se indignarem, a se revoltarem, os desfiles levaram criticas que lavaram a alma dos brasileiros. Diante da profunda crise econômica que o Rio de Janeiro vive, não é possível que jornal o Globo esteja mais preocupado com as plumas de luxo do que com enredos com forte denuncias. Carnaval é resistência, e a Mangueira, a Tuiuti, a Beija-Flor, mandaram muito bem esse recado. Porque não será o Temer, nem o Crivella que vão tirar a alegria do povo. Seguimos resistindo e dia 19/02 , vamos levar para as ruas a luta dos trabalhadores contra a reforma da Previdência que o Vampirão, Temer quer aprovar junto com os bando de sanguessuga que ocupa o congresso.

Tá na hora das centras sindicais convocarem suas bases para resistir aos ataques e defender o direito elementar do povo decidir em quem quer votar, porque entre os vários ataques que o povo tem que combater o judiciário com a condenação arbitraria de Lula, quer nos tirar o direito de votar em quem quiser.

Exigimos que as centrais sindicais convoquem suas bases para paralisar no dia 19/02 e coloquem de pé um plano de lutas para barrar os ataques.




Tópicos relacionados

Carnaval 2018   /    Sociedade   /    Cultura   /    Política

Comentários

Comentar