Internacional

ARGENTINA

O Encontro Nacional de Mulheres e os debates deixados pelo documento de abertura

Com o atraso imposto pelo afastamento e controles da Gendarmerie Nacional, visando retardar a chegada de mulheres, autódromo "Mar y Valle" da cidade de Trelew se tornou palco da inauguração do 33º Encontro Nacional Mulheres que ocorreu na Argentina.

segunda-feira 15 de outubro| Edição do dia

No extremo sul e menor de sua cidade história, na terra onde foi morto Santiago Maldonado, o evento começou ao meio-dia com a saudação dada sobre várias comunidades indígenas, que insistiu na necessidade de visualizar sua luta das terras ancestrais na rejeição de perseguição por exigir este direito fundamental e a proposta que a reunião é "plurinacional". Um debate que, segundo transcende, abriu tensões.

Juntamente com a rejeição de femicídios, o documento mencionou a luta contra os transfemicidas e os transvesticídios e a luta contra a diversidade sexual. Em outras passagens, ele enfatizou a importância de exigir educação sexual abrangente em todas as escolas. Ele também denunciou os cortes na saúde que colocam em risco o fornecimento de medicamentos para as mais de 40 mil mulheres na Argentina que vivem com o HIV.

A luta pelo direito ao aborto, que impôs a enorme maré verde, também foi mencionada. "Esta reunião vislumbrará novas e renovadas estratégias para que o aborto seja lei", afirmaram, e exigiu a absolvição para Estrella, o médico de Maitén, que foi processado sem provas para acompanhar a prática. Da mesma forma, a luta por um Estado secular destacou-se como uma perspectiva. Uma menção à qual vários participantes responderam com a exigência de separação da Igreja do Estado.

O documento também afirmava que Chubut é uma das províncias mais ricas do país, mas tem as maiores taxas de pobreza, juntamente com as taxas de desemprego. "Inflação, demissões e fome crescem como a luta que os combate e as mulheres lideram essas lutas", disseram, e denunciaram os planos de ajuste do governo nacional, em acordo com o FMI.

2018 será lembrado como o ano da maré verde, porque centenas de milhares exigiram a legalização do aborto e iniciaram a sanção média para a Câmara dos Deputados, após sete apresentações sucessivas. O lobby das hierarquias das igrejas católica e evangélica e a rejeição que impuseram ao Senado contra as mulheres foi um fator determinante. Este aspecto, no entanto, não foi destacado no documento que foi lido.

A decisão é coerente com a que determinou que esta reunião não seja realizada na cidade de Buenos Aires, como as mulheres participantes das oficinas vêm exigindo há vários anos. Claramente, uma reunião no centro político do país, permitiria que milhões debate-se, manifestasse e intensificasse a força para retomar a luta pela legalização do aborto, para a educação sexual abrangente, para contracepção livre e a separação efetiva e imediata da Igreja e do Estado. A leitura do documento, antecipou que sem dúvida este será um debate nas oficinas que acontecem neste sábado e continuarão neste domingo.

As mulheres que vêm lutando para derrotar o plano de ajuste de Macri, os governadores e o FMI, não podem e não querem esperar até 2019 para reabrir o debate sobre suas demandas, como afirmam vários setores da PJ. Para derrotar o avanço da direita na região e enfrentar esse ataque que hoje se expressa no orçamento de ajuste que é debatido no Congresso Nacional, a luta deve ser dada nas ruas, e deve ser dada agora. Esse é, sem dúvida, um debate que terá de ocorrer neste Encontro para colocar a força das mulheres na vanguarda dessas lutas.




Tópicos relacionados

Separação da Igreja e do Estado   /    Mulheres   /    Argentina   /    Internacional

Comentários

Comentar