Gênero e sexualidade

COTA TRANS

O Congresso argentino já está debatendo a cota trans para vagas de emprego: Del Caño apresentou projeto

Na terça-feira, a Comissão de Mulheres e Diversidade da Câmara dos Deputados iniciou o debate sobre o acesso de de pessoas trans às vagas de emprego. O deputado da Frente de Esquerda, Nicolás Del Caño, voltou a enviar sua proposta de projeto de lei.

quinta-feira 25 de junho| Edição do dia

A pandemia está escancarando os problemas enfrentados pelas grandes maiorias do país, que sofrem com cortes em sua renda, suspensões e demissões. Essa situação golpeia com ainda mais força as pessoas trans e travestis, historicamente marginalizadas: nesses meses, além de ficarem sem renda, sofreram despejos, uma maior perseguição policial e a discriminação constante no sistema de saúde.

De acordo com o último relatório disponível elaborado pela ATTA (Associação de Travestis Transsexuais e Transgeneros da Argentina) em 2014, apenas 18% das travestis e transexuais já tiveram acesso ao trabalho formal. A prostituição acaba sendo a saída para uma grande maioria como forma de conseguir sobreviver diante da discriminação recorrente no mercado de trabalho. Por esse motivo, a cota de empregos para trans visa garantir o direito elementar de acesso a um emprego estável.

Nesse contexto, na última terça-feira, a Comissão de Mulheres e Diversidade da Câmara dos Deputados começou a debater a proposta para que se implemente cotas para trans de vagas de emprego a nível nacional. Apresentaram-se testemunhos de referências trans de diferentes organizações, contando as inúmeras situações e problemas os quais vivem as pessoas trans nas províncias por todo o país.

Os números falam por si só, de acordo com os dados refletidos por Vanesa Cufre, chefe da Área de Política de Diversidade, Gênero e Anti-Discriminação do Ministério Nacional de Desenvolvimento Social, foram 5.149 pessoas trans inscritas no “Plano para promover o trabalho” durante a pandemia, das quais 4.109 foram eficazes. Essa medida promovida pelo governo consiste em um subsídio mensal equivalente a metade do salário mínimo vital, uma quantia de US $ 8.437,50 que nem chega perto dos US $ 33.700 que os donos das grandes empresas receberam do Estado, assim como o próprio "irmão da vida" de Macri, Nicolás Caputo.

O primeiro projeto de vaga profissional foi impulsionado na província de Buenos Aires por Diana Sacayán, ativista do Movimento de Libertação Anti-Discriminação (MAL). O mesmo estabelece uma cota de vaga de emprego de 1% nas áreas da administração estadual provincial, e foi regulamentado no final de 2019, mas, ocorre que em muitos municípios e províncias, ainda não foi implementado. Esse debate chegou ao congresso e os projetos foram aprovados em diferentes províncias e municípios do país como produto da mobilização de pessoas LGBTI e do movimento de mulheres.

A proposta da esquerda

O projeto de lei proposto pelo deputado da Unidade da Frente Esquerda, Nicolás Del Caño, afirma que “são beneficiárias dessa lei de inclusão trabalhista todas as pessoas transgeneros, travestis e transsexuais, independentemente de terem acessado ou não a alteração de registro estabelecida na Lei nº 26.743, de possuir ou não antecedentes criminais, que atendam às condições necessárias para o cargo que será ocupado. Esse direito deve ser garantido através de uma cota mínima em todos os organismos e dependências da administração pública nacional ”.

Por sua vez, o projeto afirma que "a falta de emprego e histórico educacional dos beneficiários não impedirá o acesso aos direitos reconhecidos por esta lei". E, por outro lado, "o Estado nacional e seus órgãos dependentes devem garantir a formação trabalhista obrigatória e remunerada a todas as pessoas candidatas a qualquer cargo exigido por eles".

Assim, visa garantir a medida sem nenhum tipo de impedimento, seja por exigência de requisitos, pela formação, ou por antecedentes criminais, contemplando a falta de acesso à educação que esse grupo sofre e a constante perseguição pelas forças repressivas.

Além disso, o projeto também afirma que sua aplicação não implica que os trabalhadores e trabalhadoras que têm uma relação de trabalho com agências estaduais possam ser demitidos, bem como que o salário não seja menor que o custo da cesta básica familiar.

Em suas fundamentações, também afirma que “é essencial lutar por medidas elementares em resposta à realidade das pessoas trans, colocar a disposição os hotéis e casas inabitadas para todas as pessoas trans vítimas de violência de gênero, assim como para aqueles que não têm acesso a moradia ou vivem sob superlotação, sob pressão e sob constante ameaça policial, para que possam sair da situação de emergência em que se encontram. Essas medidas básicas e elementares ajudariam a pelo menos aliviar de forma paliativa a situação estrutural que atravessa a vida da mais ampla maioria das pessoas trans no país. Tudo isso, como parte de um plano de saída para a crise sanitária, social e econômica, com medidas destinadas a solucionar os problemas de fundo da grande maioria, como uma renda de 30 mil pesos durante a quarentena para cada pessoa que precisar, bem como o aumento dos investimentos na saúde, com base em um imposto sobre as grandes fortunas e o não pagamento da dívida pública".




Tópicos relacionados

PTS   /    Nicolás del Caño    /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar